O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 3

EPÍLOGO (QUE ERA PARA SER UMA INTRODUÇÃO)

Em Janeiro de 2003, fui convidado pelas Edições Asa (que ainda não pertenciam ao Grupo Leya) para coordenar um livro dedicado a Vasco Granja, nome emblemático da comunicação social portuguesa nos últimos decénios do século passado, figura incontornável de programas de televisão e de colóquios, exposições e festivais de Banda Desenhada, que se realizaram, nessa época, um pouco por toda a Europa.

Granja livroPioneiro de uma abordagem mais intelectual à Narração Figurativa, 9ª Arte ou Banda Desenhada (termo que foi o primeiro a intro- duzir no nosso léxico), como se convencionou chamar, desde então, às tradicionais histórias aos quadradinhos, Vasco Granja foi alvo, nesse livro, de especial homenagem por diversos autores de BD, entre os mais notáveis do nosso meio, alguns dos quais (a maioria, aliás) ilustraram guiões escritos por mim, em que ele, Vasco, era a personagem principal.

Conseguimos reunir uma numerosa equipa — 14 desenhadores! —, mas outros ficaram de fora por razões várias que os impediram de aceitar o nosso convite. Uma delas foi a falta de tempo, por estarem ocupados com outros trabalhos. Tive, assim, de abandonar, com muita pena, algumas ideias já postas em prática e que eram destinadas a desenhadores específicos, aqueles que me pareciam ter mais aptidões ou predisposição para as ilustrar. O conto humorístico que publicámos neste blogue, com o título supra, em honra de outra grande personalidade da BD portuguesa, foi inspirado numa dessas ideias que não passaram do esboço de um guião.

A recente morte de Mário do Rosário — uma das figuras que participavam nessa história, ao lado de Vasco Granja e de outros ilustres comparsas — despertou-me memórias adormecidas e o desejo de construir uma narrativa, refazendo um tema que, há treze anos, não cheguei a concluir para ser transformado em imagens. Espero que o resultado, tanto tempo depois, seja digno da pequena homenagem que quisemos prestar a quatro grandes pioneiros da BD portuguesa, e em particular àquele cuja obra, como director e editor da emblemática 2ª série d’O Falcão, marcou também uma época.

Advertisements

O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 2

PEQUENA HOMENAGEM A MÁRIO DO ROSÁRIO (E OUTROS) EM FORMA DE CONTO HUMORÍSTICO

Notícia publicada na página online do jornal Correio da Tarde, edição de 17 de Agosto de 2016 (2 de 2):

Domingo, 6 de Agosto de 1972 (12h30)

As primeiras notícias da corrida são pouco animadoras e já há apostadores desiludidos, pois registou-se um acidente, perto da Nazaré, que quase ia vitimando Mário do Rosário, o concorrente que, fazendo jus ao seu favoritismo, levava quase meia hora de avanço sobre o mais próximo perseguidor, José Baptista.

Um cão que apareceu, de repente, na estrada, diante do carro lançado a alta velocidade, fez Mário do Rosário perder o controle da viatura e embater num poste de iluminação, depois de ter rodopiado algumas dezenas de metros, sem capotar. O Volkswagen ficou muito danificado e o seu condutor, gravemente ferido, teve de ser levado para o hospital. Aguarda-se ainda o primeiro boletim médico. Mas a corrida prossegue, agora com mais hipóteses de vitória para José Baptista e a sua equipa feminina.

Outro boletim noticioso, que fez manchete na última página do jornal desse mesmo dia:

Última hora — O “Rally dos Quatro Magníficos”, como foi baptizada esta singular corrida organizada pelo Automóvel Clube de Portugal e patrocinada pelo nosso vespertino, em que os participantes são todos especialistas de banda desenhada, teve mais uma baixa. José Baptista, que substituíra o acidentado ás da velocidade Mário do Rosário no comando da prova, sofreu também um percalço, apesar de conduzir com mais segurança. Perto do quilómetro 350, a sua viatura despistou-se bruscamente, por razões desconhecidas, numa curva pouco apertada, e saiu da estrada, indo enfaixar-se numa grande meda de feno que alguns trabalhadores agrícolas removiam para dois tractores. Felizmente, nenhum deles foi colhido pelo espampanante “bólide” sem direcção.

Segundo estas testemunhas, o Buick onde seguiam José Baptista e as suas assistentes ficou totalmente coberto de feno. Só se ouviam gemidos… mas pareciam de prazer!

Ao que apurámos, estes concorrentes sofreram um choque emocional — assim como o carro, cujo motor se foi abaixo — e resolveram desistir da corrida, que termina hoje, em Bragança, já depois do fecho desta edição.

Segunda-feira, 7 de Agosto de 1972

Terminou em Bragança, como estava anunciado, o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova por etapas organizada pelo ACP, com o patrocínio do nosso jornal, que já ontem à tarde tinha ficado reduzida a dois concorrentes, Vasco Granja e Roussado Pinto, depois dos acidentes sofridos por Mário do Rosário (que continua internado, mas livre de perigo) e José Baptista, acompanhado pelas suas assistentes.

Vasco Granja, que parecia ter todas as condições para ganhar tranquilamente a corrida, pois já levava um grande avanço sobre o seu adversário — que não é adepto de grandes velocidades, como nos declarou, mantendo sempre uma média de 50 kms à hora —, foi obrigado a desistir por causa de três furos simultâneos! Um azar dos diabos (passe a expressão), provocado, segundo os juízes da corrida, por excesso de peso.

Como já referimos na nossa reportagem, este concorrente, que também é coleccionador de banda desenhada, nunca se separa dos seus álbuns favoritos, edições raras e preciosas avaliadas em muitas centenas de escudos, e transportava mais de 30 quilos de bagagem. Por esse motivo é que não pode viajar de avião! 

Desclassificado por “grave falha técnica” (parece que os juízes não gostaram do excesso de peso), viu chegar a Bragança, já de noite, o concorrente em quem ninguém apostou, dado o seu manifesto desinteresse pela corrida (mas não pela comida, pois levou consigo uma magnífica merenda, digna de Pantagruel, como se fosse para um piquenique). 

Foi, pois, Roussado Pinto o vencedor do “Rally dos Quatro Magníficos”, cometendo uma proeza que ficará para a história do automobilismo, com o recorde da mais baixa velocidade em corridas do género. O troféu ser-lhe-á entregue em Lisboa, numa cerimónia em que estarão presentes altas individualidades do desporto e do Automóvel Clube de Portugal. Segundo uma fonte do ACP, o Citroën 2CV que se cobriu de glória na corrida, sem sofrer o menor dano, será também exposto ao público, no próximo Salão Automóvel.

Quarta-feira, 9 de Agosto de 1972

Para remate da reportagem com que acompanhámos o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova que acabou com a inesperada vitória de Roussado Pinto — um concorrente que tinha afirmado, antes da partida, não ter pressa em chegar à meta —, fomos ontem de manhã ao Hospital de S. José, em Lisboa, onde está internado Mário do Rosário, devido ao grave acidente que sofreu logo no primeiro dia da corrida, quando já levava vantagem sobre os seus três adversários.

Uma perna e um braço partidos e outras contusões mais ligeiras vão obrigá-lo a permanecer no hospital durante algumas semanas, o que não parece incomodá-lo, pois mantém o seu ar descontraído, espalhando bom humor à sua volta, como se estivesse num hotel, rodeado de amigos. As enfermeiras que o digam…

Nessa mesma manhã, tinha recebido a visita dos seus ex-adversários e o encontro deixou-o visivelmente satisfeito.

Quando entrámos no quarto, onde era, de momento, o único enfermo, saudou-nos efusivamente, apesar dos membros engessados não lhe permitirem muitos movimentos, e logo nos pôs a par dos seus últimos planos:

— Os meus amigos… isto é, os meus rivais… estão fartos de gozar comigo por eu ter a mania das velocidades. Mas se não fosse aquele estúpido animal, tinha ganho a corrida… e com grande avanço! Já ninguém me apanhava!

Pelos vistos, não perdera a prosápia nem a auto-confiança, como confirmaram as palavras seguintes, em tom peremptório:

Já lhes disse que se preparem para a desforra! Estou aqui para as curvas! Sou campeão de vendas com o Falcão! E hei-de vencer a próxima corrida!

Registámos esta declaração triunfal no nosso bloco-notas e fizemos questão de observar:

— Falta aqui um dos seus amigos… o Major Alvega…

Mário do Rosário percebeu a nossa ironia, mas retorquiu imediatamente, com um sorriso melífluo estampado no rosto:

— Não falta, não senhor… Esse está sempre ao meu lado!

E mostrou-nos uma mão-cheia de exemplares d’O Falcão, com histórias do Major Alvega, que tinha em cima da mesa dos medicamentos, ao pé da cama.

— Apesar do meu acidente, o Major Alvega continuará a voar, para deleite dos seus milhares de admiradores! Comigo, o trabalho está sempre adiantado…

Não temos pejo em confessar, amigo leitor, que esta foi uma das reportagens mais singulares que já realizámos em toda a nossa carreira jornalística. E admitimos também que nunca encontraremos, com toda a certeza, outra personalidade tão pitoresca como Mário do Rosário, que faz gala em afirmar que aprendeu com o Major Alvega a ser destemido como os pilotos da RAF, heróis da Segunda Guerra Mundial!

Um homem que, fiel a um dos seus nomes de baptismo (Durão), professa altivamente o lema “Dos fracos não reza a História”!

Nota final — Alguns leitores manifestaram a sua curiosidade sobre o nome desta corrida, criado também pelo Automóvel Clube de Portugal. Pois fiquem sabendo que os “quatro magníficos” não eram os concorrentes — embora bastante apreciados na sua área profissional —, mas as míticas viaturas que tiveram o prazer de conduzir… infelizmente com resultados desastrosos para alguns deles!

FIM da reportagem (e do conto) 

Repórter anónimo: Jorge Magalhães

 

O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 1

PEQUENA HOMENAGEM A MÁRIO DO ROSÁRIO (E OUTROS) EM FORMA DE CONTO HUMORÍSTICO

Notícia vinda a público no jornal Correio da Tarde, edição de 17 de Agosto de 2016:

«Vítima de doença incurável, faleceu ontem, com 89 anos, o antigo editor, publicista e técnico de meteorologia Mário Durão Ferreira do Rosário, cuja actividade editorial, entre 1960 e 1986, ficou indelevelmente ligada ao Grupo de Publicações Periódicas e a uma pequena revista de banda desenhada bastante popular durante esse período e que ainda hoje muitos leitores recordam: O Falcão.

Mário do Rosário retrato copyMário do Rosário, que foi o principal responsável da 2ª série, introduziu na revista inúmeros heróis de origem inglesa, entre os quais o famoso Battler Britton, “ás” da RAF e combatente da Segunda Guerra Mundial, a quem deu o nome de Major Alvega, que se tornou ainda mais célebre no nosso país —  uma espécie de instituição nacional, consagrada pela própria Força Aérea, que o adoptou como sua “mascote” na guerra colonial.

Mário do Rosário — que nunca viu esta medida com bons olhos, decidindo, por isso, em retaliação, “liquidar” o seu herói, cuja última aventura se intitulou simbolicamente “Os heróis também morrem” — foi, durante largos anos, funcionário do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, onde teve como companheiro de trabalho outro grande nome da BD portuguesa, o consagrado autor de narrativas históricas José Garcês.

Amigos e camaradas de profissão, assim como colaboradores de várias revistas de banda desenhada, como o Pim-Pam-Pum (suplemento do jornal O Século), o Jacto e O Falcão, eram quase da mesma idade e tinham amigos comuns, como o Professor António Martinó de Azevedo Coutinho, então residente e a leccionar em Portalegre.

Viusão - Falcão 577 170Foi José Garcês quem nos informou do falecimento de Mário do Rosário, tendo ao mesmo tempo a amabilidade de nos recordar uma reportagem que publicámos neste jornal há 44 anos, a propósito de uma corrida que ficou célebre nos anais do automobilismo português, intitulada o “Rally dos Quatro Magníficos”, em que participaram Mário do Rosário e os seus “rivais” Vasco Granja, Roussado Pinto e José Baptista, representantes das principais revistas juvenis que então se publicavam em Portugal, além de O Falcão: o Tintin, o Jornal do Cuto e o Mundo de Aventuras (todas já extintas).

Como o tema não perdeu interesse, pois José Garcês contou-nos que Mário do Rosário, trabalhador super-activo, era também um ferrenho adepto do desporto automóvel — e partiu dele a ideia de desafiar os seus colegas para uma corrida de carros antigos, com mais de 20 anos de fabrico, cujos modelos e marcas seriam escolhidos pelos concorrentes —, fomos respigar essa reportagem aos nossos vastos arquivos, já totalmente digitalizados. E encontrámo-la sem dificuldade.

O anónimo repórter encarregado de cobrir o evento, que causou sensação pelo seu ineditismo entre os automobilistas portugueses e o público em geral, desempenhou-se bem da missão, como os nossos leitores poderão constatar através do curioso relato que transcrevemos na nossa página online».

Sábado, 5 de Agosto de 1972 – Dia da partida

Esta corrida, organizada pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), tem apenas quatro participantes, quatro “rivais” de natureza especial, que resolveram medir forças no terreno, aceitando o desafio de um deles, o director de uma revista juvenil chamada O Falcão. Os outros também são profissionais de banda desenhada, dirigindo revistas da concorrência: o Tintin, o Jornal do Cuto e o Mundo de Aventuras.

Que levou, afinal, estes quatro homens, com os nomes de Mário do Rosário, Vasco Granja, Roussado Pinto e José Baptista, representando cada uma daquelas revistas, a degladiarem-se num “rally” que percorrerá durante dois dias o centro e o norte do país, partindo da pitoresca localidade de Sintra, nos arrabaldes de Cascais?

Apenas o desejo de demonstrarem as suas habilidades desportivas, como condutores de automóveis — neste caso, autênticas relíquias do passado, pertencentes ao ACP, que as pôs ao dispor dos concorrentes —, ou algo mais? Embora nenhum deles quisesse satisfazer a nossa curiosidade e a do público que segue com grande interesse a corrida, desde os seus preparativos encetados há uma semana, parece-nos que o verdadeiro móbil desta curiosa competição é a rivalidade jornalística que mantêm há longos anos.               

Fomos entrevistá-los momentos antes do início da corrida. Nenhum quis ser fotografado, para evitar, segundo afirmaram, banhos de multidão, pois sabem que o nosso jornal tem uma grande tiragem, chegando a todos os distritos do país.

Eis o que nos disse Mário do Rosário, transbordante de entusiasmo e de confiança, passando a mão, numa carícia, pela carroçaria do seu Volkswagen Beetle de 1950 (uma versão primitiva do célebre “Carocha”, que ainda circula nas nossas estradas):

Tenho esperanças de ganhar e vou dar tudo por tudo, como o famoso Major Alvega, um às da velocidade criado por mim no Falcão.

— Mas esse é piloto da RAF…

— E eu sou um ás em terra… Já ganhei muitas gincanas, sempre ao volante de um Volkswagen!

A seguir interpelámos Roussado Pinto, que conduz um Citroën 2CV. Reparámos que levava no carro um cesto com um farnel bem aviado. As suas declarações deixaram-nos surpresos:

— Estou aqui porque gosto de viajar. Por isso, escolhi um 2CV… Que melhor oportunidade para gozar dois dias de férias?

— Então, não se importa de ficar em último lugar?

— Qualquer me serve… Eu só quero chegar ao fim da corrida e apreciar tranquilamente a paisagem! A vida são dois dias, meu amigo… Para quê ter pressa?

Vasco Granja foi o entrevistado seguinte. Sempre aprumado e bem vestido, com as suas espampanantes gravatas, recebeu-nos junto de um típico Fiat 500 Topolino. A parte traseira estava cheia de livros.

Não leva peso a mais? — perguntámos. Granja sorriu com jovialidade:

— São álbuns de BD, edições raras e preciosas, autografadas pelos seus autores… Hergé, Franquin, Jacobs… Acha que eu ia deixá-los em casa? E se a assaltassem na minha ausência?

— Então, leva sempre esses álbuns consigo?

— Para todo o lado, camarada… para todo o lado!

— Mas podem roubá-los noutro sítio… Na rua, no hotel…

— Só se me matarem!

Pelos vistos, Vasco Granja, o mais mediático dos concorrentes, por já ter sido preso pela PIDE, não nutre também ambições de vitória, pois pareceu-nos mais preocupado com a bagagem do que com a corrida.

Faltava-nos ouvir José Baptista, também conhecido pelo acrónimo de Jobat, que não desmentia o seu ar de galã, visto estar de braço dado com duas beldades de se lhes tirar o chapéu. O carro, um Buick Roadmaster descapotável, de 1950, cheio de cromados, é tão vistoso e de formas tão atraentes como elas. 

— Sempre em boa companhia, José Baptista! Estas meninas vieram dar-lhe apoio?

— São o meu co-piloto e o meu mecânico… É mais fácil ganhar em equipa!

— Mas assim está em vantagem sobre os outros concorrentes… que conduzem sozinhos.

— Isso é lá com eles! O regulamento do ACP não me proíbe de ter ajudantes…

Com um carro como o Buick e um duo de assistentes tão “competente”, é óbvio que José Baptista também apostou forte no triunfo, sendo o concorrente que Mário do Rosário verá mais vezes pelo seu retrovisor.

Daí a pouco, foi dado o sinal de partida e as quatro gloriosas relíquias automóveis rolaram nas verdejantes estradas de Sintra, entre vetustas mansões de aspecto senhorial, até se perderem na distância como sombras do passado.

                                                                                                                     (página 1 de 2)

A QUINZENA CÓMICA – 23

TEMPO DE PRAIA – 1

A época balnear está ainda no auge, graças ao calor de Agosto, atraindo às nossas praias (com ou sem bandeira azul) milhares de veraneantes que procuram no contacto com o sol, a areia e o mar um pouco de energia para “recarregar as baterias”, enquanto não chega o Outono com as suas suaves brisas… que se vão tornando cada vez menos brandas à medida que o Inverno faz ouvir as suas intempéries.

Há 60 anos as coisas não eram muito diferentes, exceptuando os fatos de banho que então se usavam (muito mais protectores dos danos solares… e dos olhares indiscretos) e a qualidade das nossas praias, que, diga-se de passagem, eram menos poluídas e atraíam menos gente, pelo menos no Algarve. “Carregar baterias” era um termo até pouco corrente, nesses recuados tempos em que os automóveis ainda não estavam ao alcance de toda a classe média. Nem os comboios…

Por isso, a norma era aproveitar as férias alugando uma casa perto da praia, porque as rendas eram baixas e poupava-se o custo dos bilhetes diários de comboio ou de autocarro para toda a família. A sabedoria popular tinha artes para enfrentar a austeridade, que agora são impossíveis (ou mais difíceis) de pôr em prática…

Com este “apontamento” estival, lembrando outros tempos que ainda vivi em menino e moço, aqui fica mais uma capa do Cara Alegre e outra aliciante ilustração de José Manuel Soares… que a desenhar garotas estava sempre no melhor da sua forma!

O INFANTE D. HENRIQUE NA FEIRA DE S. MATEUS

EXPOSIÇÃO DE BD SOBRE O INFANTE D. HENRIQUE

Convite BD

No próximo dia 28 de Agosto, domingo, pelas 16:00 horas, será inaugurada em Viseu, no Pavilhão Multiusos da Feira de S. Mateus, uma exposição cujo tema se intitula “Infante Dom Henrique na Banda Desenhada”.

A exposição, composta por cerca de duas dezenas de quadros em grande formato, mostrará praticamente todas as versões existentes em BD sobre a vida do “Navegador”. A mostra é uma produção do Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu (Gicav) e conta com o apoio da Câmara Municipal de Viseu, da Viseu Marca e do Instituto Português do Desporto e Juventude.

Na mesma ocasião, serão homenageados ao vivo, pelo Gicav, José Ruy e Carlos Baptista Mendes, sendo também lançado um mini-álbum com a reedição de duas histórias destes consagrados autores, versando o Infante D. Henrique.

Tudo bons motivos, portanto, para uma visita à mui nobre cidade de Viseu, a pretexto da Banda Desenhada e de uma das maiores figuras da nossa História.

(Texto adaptado, com a devida vénia, de uma notícia publicada no BDBD, blogue orientado por Carlos Rico e Luiz Beira).

MORREU O “PADRINHO” DO MAJOR ALVEGA

Por amabilidade de um dos seus melhores amigos, mestre José Garcês, que nos dá também a honra da sua estima e camaradagem, soubemos do falecimento, há poucos dias, de Mário do Rosário, mítico editor de Banda Desenhada que ficará indelevelmente ligado ao popular semanário O Falcão, cuja 2ª série, em formato de bolso, dirigiu, coordenou e editou, durante mais de 20 anos.

Nas décadas de 60 e 70 do século passado, O Falcão foi uma das revistas da especialidade mais apreciadas por leitores de várias faixas etárias, graças ao formato apelativo, ao preço módico, às belas capas (muitas delas realizadas por José Garcês) e às séries e aos heróis que publicou, com destaque para um carismático piloto e “ás” da RAF, herói da 2ª Guerra Mundial, que ficou conhecido pelo nome de Mario do Rosário - Falcão 417 750 copyMajor Alvega — inventado, aliás, por Mário do Rosário, que preferiu ignorar o patronímico inglês (Battler Britton), sem poder adivinhar que tinha gerado uma autêntica lenda da história e do universo dos media portugueses do século XX.

Ainda vivo, pelo menos na memória dos leitores d’O Falcão (e dos espectadores da RTP) que vibraram com as suas aventuras, o Major Alvega deve sentir, neste momento, a falta do seu maior amigo, daquele que — ao apadrinhá-lo, dando-lhe outro nome e uma dupla nacionalidade — criou um fenómeno de culto que transcendeu as suas próprias origens nos comics de guerra do Reino Unido.

Nota: a foto de Mário do Rosário inserida neste post provém, com a devida vénia, do blogue Largo dos Correios, onde podem ler um magnífico artigo do Professor António Martinó de Azevedo Coutinho intitulado “Super-Mário e O Falcão”, cujo link transcrevemos: https://largodoscorreios.wordpress.com/2016/08/18/mario-do-rosario-1927-2016/

A GRANDE FAMÍLIA DO “MUNDO DE AVENTURAS”

Assinalando o 67º aniversário do Mundo de Aventuras — cujo primeiro número surgiu nas bancas em 18 de Agosto de 1949, aguardado com grande expectativa pelo público juvenil, depois de uma massiva campanha publicitária, que teve eco em todo o país —, recordamos outra data festiva e simbólica (a do 20º aniversário do MA) e um número especial (o 1038 da 1ª série) com 120 páginas, onde foram evocados, numa curiosa reportagem fotográfica, vários elementos da sua redacção e do seu sector comercial e gráfico, do mais importante ao mais humilde. Aqui a reproduzimos para memória futura…

MA 1038 C e D

Era o ano de 1969 e a equipa, entretanto, tinha-se renovado, mas o MA não esqueceu também os seus colaboradores mais antigos, alguns dos quais já tinham partido para outras “aventuras”, como Vítor Péon e Roussado Pinto, ou já habitavam outros “mundos”, em companhia dos mais emblemáticos heróis da Banda Desenhada, cujo destino é eterno — tal como o dos lendários heróis da Mitologia.

Por muito estranho que pareça, a verdade é que revistas como o Mundo de Aventuras — ou como O Mosquito, O Papagaio, o Diabrete, o Cavaleiro Andante, o Tintin — também não morrem, porque a sua existência física se prolonga numa espécie de estado imaterial e etéreo, onde a essência dos sonhos continua a acalentar aquele sentimento mágico que as suas páginas despertaram no espírito de milhares de leitores.

Parabéns por mais este aniversário, Mundo de Aventuras!!!  

A HISTÓRIA DE PORTUGAL EM BD – 14

O HERÓICO CAVALEIRO D. NUNO (1)

Crónica do Condestável 725A figura do ilustre Condestável D. Nuno Álvares Pereira — que o escritor António Campos Júnior crismou de “guerreiro e monge” — foi dada a conhecer à juventude em várias histórias aos quadradinhos (como antigamente se chamava à narração figurativa) e nalguns livros de que ainda conservo grata memória, como os de uma popular colecção da Livraria Sá da Costa, que teve largas tiragens, com títulos dedicados à Odisseia, de Homero, à Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, à História Trágico-Marítima, aos Lusíadas e a muitas outras obras de cariz histórico, entre as quais a Crónica de Nuno Álvares Pereira, com texto de Jaime Cortesão e ilustrações de Martins Barata.

A vida do Condestável 727Foi nesse livro e noutro de leitura ainda mais apaixonante, “A Vida Grandiosa do Condestável”, escrito por Mário Domingues — autor de nomeada no campo da narrativa histórica, com vasta obra publicada pelas Edições Romano Torres —, que aprofundei os meus conhecimentos sobre um dos maiores vultos da nossa História, cujo papel na luta pela independência, durante a grave crise de 1383-85, foi ainda mais decisivo que o do Mestre de Avis, futuro rei D. João I. De facto, sem o Condestável, cujo patriotismo foi um exemplo para muitos portugueses daquela época, que hesitavam entre a facção do Mestre e a do rei de Castela, Portugal estaria condenado à derrota e ao domínio estrangeiro. Mas hoje, num tempo estranho e sem alma, em que as memórias desses feitos quase se apagaram, já nem se comemoram as grandes batalhas, como Aljubarrota e Atoleiros, que ilustram a grandeza do Condestável, do seu génio militar e político, e a bravura das hostes que fielmente o seguiram, contra a vontade de muitos nobres e das próprias Cortes.

Crónica do Condestável 2 726Como escreveu Jaime Cortesão na “Crónica do Condestável” (oriunda de autor anónimo do século XV): “(…) então a honra dos fidalgos estava em amar e ser fiel a seus senhores ou reis, fonte de todos os seus bens e privilégios. Apenas os cidadãos burgueses e a gente miúda, os que não eram filhos de algo, punham a honra em amar e defender a terra em que nasceram e as liberdades que haviam conquistado”.    

Desde essas leituras, dediquei especial interesse às histórias ilustradas sobre a figura do Condestável, algumas das quais já recordámos neste blogue (como a memorável versão de Fernando Bento publicada, em 1950/51, no Diabrete).

Por sinal, este eclético artista já tinha abordado o tema numa patriótica rubrica intitulada “Histórias da Nossa História”, com textos de Adolfo Simões Müller, que deu destaque no nº 147 do Diabrete (23-10-1943) às proezas de cavalaria do jovem Nuno Álvares Pereira.

Seguidamente apresentamos mais algumas páginas, com o traço de outros desenhadores (e os cá de casa parece terem sido os únicos a interessar-se, até agora, por este capítulo da nossa nacionalidade, menos universal do que a longa gesta dos Descobrimentos).

Camarada 16 - 3º ano 728Ombreando dignamente com os seus pares da BD histórico-didáctica, José Antunes publicou no Camarada nº 16, 7º ano (8-8-1964) — com capa de Júlio Gil — um curto episódio sobre o bravo guerreiro D. Nuno, que ainda moço imberbe já fora armado cavaleiro pela rainha Dona Leonor Teles, depois de ter provado o seu valor nas primeiras escaramuças com os inimigos do reino. Longe vinham ainda os tempos de Aljubarrota, mas a profecia do alfageme de Santarém, a quem Nun’Álvares encomendou uma espada, haveria de cumprir-se, forjando o seu épico e glorioso destino.

Embora tivesse ilustrado mais narrativas históricas no Camarada, com o seu traço cheio e um pouco anguloso, sombreado por fortes pinceladas em que vibrava um tributo aos mestres Alex Toth e Frank Robbins, da escola americana que tanto admirava, José Antunes só voltou a retratar a figura do Condestável numa capa realizada para a revista mensal Pisca-Pisca.

A história “O Cavaleiro D. Nuno” foi reeditada no nº 5 dos Cadernos Moura BD, dedicado a este talentoso ilustrador, que se distinguiu também como capista em várias publicações, graças à sua versatilidade e à sua cultura que lhe permitiam abordar qualquer tema.

D Nuno josé antunes 1 e 2

Evocando outro episódio da vida heróica e piedosa de D. Nuno Álvares Pereira, eis uma página dada à estampa no nº 59 (1960) da Fagulha, com o personalíssimo traço de Bixa (pseudónimo de Maria Antónia Roque Gameiro Martins Barata Cabral), uma das melhores colaboradoras dessa revista, editada pela Mocidade Portuguesa Feminina.

fagulha-59-1960

Por último (last but not least), uma referência a Mestre José Ruy, a quem poucos podem pedir meças no domínio da BD histórica e cuja vasta obra — com um estilo desenvolto, em que sobressai o apurado uso da cor, a harmonia da forma e o rigoroso equilíbrio da composição — tem alguns capítulos, embora breves, dedicados ao valoroso guerreiro que salvou Portugal das invasões castelhanas no século XIV.

Recordemos, por exemplo, o episódio “Os Duzentos Inimigos do Condestável”, publicado no Camarada nº 5, 2º ano (28-2-1959), em que D. Nuno se bate temerariamente contra uma chusma de castelhanos, até ser socorrido pelos seus companheiros de armas… curiosamente a mesma peleja que Fernando Bento retratou nas páginas do Diabrete, com o seu traço fluido e expressivo, num vigoroso e plástico preto e branco.

José Ruy (Camarada)

Aqui fica o registo de cinco estilos gráficos diferentes, que ilustram bem a riqueza e variedade da escola realista (e modernista) que inaugurou uma nova etapa nas histórias aos quadradinhos portuguesas, a partir dos anos 40 do século passado.

(Nota: a página de José Ruy foi extraída, com a devida vénia, do magnífico blogue BDBD, orientado por Carlos Rico e Luiz Beira. As restantes pertencem à minha colecção, bem como os livros apresentados também neste post).

THE HOUSE OF CORTO MALTESE

benoit-mouchart-editeur-nous-avons-ressuscite-corto-maltese-parce-qu-il-releve-du-mythe,M259220

“O marinheiro da BD ganhou casa no Cais do Sodré”

Artigo de Mara Gonçalves (Público, suplemento Fugas, em 6/8/2016)

“Hello! You are in the House of Corto Maltese. Who you are? You want to come to the discovery of the world of Corto Maltese? You are in Lisbona. Lisbona.”

Neste bar quase tudo se inspira nas aventuras da mítica personagem de banda desenhada criada por Hugo Pratt, desde o nome à decoração ou à carta de cocktails. Até este velho telefone, que nos interpela na casa de banho com uma voz entre o fantasmagórico e o vilanesco, definitivamente surreal.

“Rasputin, is you? Give me the letter I want. We need this map to discover the secret.”

A gravação, em loop contínuo, é a mais recente criação artística de Filipe Dias, o capitão-mor deste pequeno navio atracado desde o final do ano passado na Rua da Boavista, em Lisboa. “Não era aquele fã, mas sempre tive uma pequena paixão por esta personagem”, conta o designer de 42 anos. Daí que Corto Maltese — e o amigo e rival Rasputin — tenham sido a escolha natural quando quis homenagear os marinheiros que outrora navegavam pelas ruas do Cais do Sodré, aqui a dois passos, então bairro de prostitutas e má fama.

Um pouco por todo o espaço há, por isso, objectos que remetem para o universo dos barcos e das grandes aventuras pelo mundo e, claro, recortes das bandas desenhadas e colecções encadernadas das histórias criadas por Pratt, nos anos de 1970-90. Na parede, um mapa surge em destaque para assinalar as Viagens de Corto Maltese, mas, entretanto, “as pessoas começaram a pôr os países de onde vinham ou que tinham visitado”. Pioneses coloridos despontam do México, da Colômbia e do Brasil, do Mali, de França, Japão, Irão ou da Tailândia.

Na lista de bebidas, mais mundo. Runs, vodkas e gins chegam às prateleiras vindos dos quatro cantos do planeta. Só os vinhos são todos portugueses, maioritariamente do Alentejo e de Lisboa. Mas até aqui Filipe Dias procura ter, “por norma”, marcas “difíceis de encontrar noutros bares e que não sejam vendidas nas grandes superfícies comerciais”. E, depois, há cocktails com nomes inspirados no universo Corto Maltese, sempre feitos à base de rum, lima, mel e açúcar amarelo.

Corto Maltese no Cais do Sodré

Ainda está softly open — como se lê na porta envidraçada — e tudo manter-se-á “sempre em mudança”, da decoração às cartas de bebidas e de petiscos (há sempre algo para forrar o estômago, mas sem menu fixo, indo de fatias de pizza a conservas ou sandes de presunto). A ideia é criar um “espaço cool”, onde as pessoas possam vir “conhecer um pouco a história do comic”. Mas também “um pouco da história do bairro”. As duas homenagens misturam-se numa profusão de objectos antigos, colagens, pinturas, camadas, sobreposições e pormenores que se acumulam em cada recanto, num estilo descontraído e despretensioso.

“Queremos mostrar que, mesmo com pouco orçamento, é possível fazer uma homenagem aos sítios que estão a desaparecer em Lisboa e na Europa porque os novos senhorios compram [os espaços] e, sem saberem a história, fazem tudo de novo e completamente diferente daquilo que eram”, conta o responsável.

Os balcões vieram de casas vizinhas, os copos desemparelhados sentam-se em velhas mesas de costura (as máquinas foram cobertas de dourados ou rosa fúcsia e os carros de linhas substituídos por rolhas de cortiça), pequenas televisões transmitem filmes a preto e branco, há telefonias e máquinas registadoras de outros tempos. O bar é também uma espécie de showroom do trabalho da CortoMundo, empresa de design liderada por Filipe Dias, que criou algumas das peças transformadas. “Está tudo à venda, é uma questão de falarmos”, ri-se Filipe Dias.

Corto Maltese nunca passou por Portugal nas suas aventuras além-mar, mas Hugo Pratt viajou pelo país várias vezes. Numa entrevista ao Público, em 1992, o autor italiano, que viria a falecer três anos depois, defendeu que a capital lusa tinha “mudado muito”. “Antes, Lisboa era uma cidade cosmopolita, depois tornou-se uma cidade turística.” Portugal tinha-se tornado “um produto de postcard e folclore”. Nunca saberemos o que Pratt diria desta House of Corto Maltese, mas deixamos a imaginação fluir numa viagem no tempo da sua obra e do país, até a música nos embalar por outras paragens longínquas.

A QUINZENA CÓMICA – 22

QUANDO O AMOR “DESAFINA”…

Cara Alegre 96 - 1 e 2

Abrimos as nossas quinzenas cómicas deste mês com mais duas ilustrações de um dos artistas mais em destaque no Cara Alegre, José Manuel Soares (mestre das cores e também do preto e branco, como Stuart), numa visão simultaneamente caricatural e realista do namoro… em lugares tão diferentes como o escritório e o salão de baile!

Estes trabalhos — em que avulta, de novo, a elegância sofisticada do traço de um notável ilustrador — foram publicados no Cara Alegre nº 96, de 1/1/1955, cuja sugestiva capa (celebrando o 4º aniversário da revista) também é de José Manuel Soares.

Anos M dos Livros - Cara Alegre 96