O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 3

EPÍLOGO (QUE ERA PARA SER UMA INTRODUÇÃO)

Em Janeiro de 2003, fui convidado pelas Edições Asa (que ainda não pertenciam ao Grupo Leya) para coordenar um livro dedicado a Vasco Granja, nome emblemático da comunicação social portuguesa nos últimos decénios do século passado, figura incontornável de programas de televisão e de colóquios, exposições e festivais de Banda Desenhada, que se realizaram, nessa época, um pouco por toda a Europa.

Granja livroPioneiro de uma abordagem mais intelectual à Narração Figurativa, 9ª Arte ou Banda Desenhada (termo que foi o primeiro a intro- duzir no nosso léxico), como se convencionou chamar, desde então, às tradicionais histórias aos quadradinhos, Vasco Granja foi alvo, nesse livro, de especial homenagem por diversos autores de BD, entre os mais notáveis do nosso meio, alguns dos quais (a maioria, aliás) ilustraram guiões escritos por mim, em que ele, Vasco, era a personagem principal.

Conseguimos reunir uma numerosa equipa — 14 desenhadores! —, mas outros ficaram de fora por razões várias que os impediram de aceitar o nosso convite. Uma delas foi a falta de tempo, por estarem ocupados com outros trabalhos. Tive, assim, de abandonar, com muita pena, algumas ideias já postas em prática e que eram destinadas a desenhadores específicos, aqueles que me pareciam ter mais aptidões ou predisposição para as ilustrar. O conto humorístico que publicámos neste blogue, com o título supra, em honra de outra grande personalidade da BD portuguesa, foi inspirado numa dessas ideias que não passaram do esboço de um guião.

A recente morte de Mário do Rosário — uma das figuras que participavam nessa história, ao lado de Vasco Granja e de outros ilustres comparsas — despertou-me memórias adormecidas e o desejo de construir uma narrativa, refazendo um tema que, há treze anos, não cheguei a concluir para ser transformado em imagens. Espero que o resultado, tanto tempo depois, seja digno da pequena homenagem que quisemos prestar a quatro grandes pioneiros da BD portuguesa, e em particular àquele cuja obra, como director e editor da emblemática 2ª série d’O Falcão, marcou também uma época.

O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 2

PEQUENA HOMENAGEM A MÁRIO DO ROSÁRIO (E OUTROS) EM FORMA DE CONTO HUMORÍSTICO

Notícia publicada na página online do jornal Correio da Tarde, edição de 17 de Agosto de 2016 (2 de 2):

Domingo, 6 de Agosto de 1972 (12h30)

As primeiras notícias da corrida são pouco animadoras e já há apostadores desiludidos, pois registou-se um acidente, perto da Nazaré, que quase ia vitimando Mário do Rosário, o concorrente que, fazendo jus ao seu favoritismo, levava quase meia hora de avanço sobre o mais próximo perseguidor, José Baptista.

Um cão que apareceu, de repente, na estrada, diante do carro lançado a alta velocidade, fez Mário do Rosário perder o controle da viatura e embater num poste de iluminação, depois de ter rodopiado algumas dezenas de metros, sem capotar. O Volkswagen ficou muito danificado e o seu condutor, gravemente ferido, teve de ser levado para o hospital. Aguarda-se ainda o primeiro boletim médico. Mas a corrida prossegue, agora com mais hipóteses de vitória para José Baptista e a sua equipa feminina.

Outro boletim noticioso, que fez manchete na última página do jornal desse mesmo dia:

Última hora — O “Rally dos Quatro Magníficos”, como foi baptizada esta singular corrida organizada pelo Automóvel Clube de Portugal e patrocinada pelo nosso vespertino, em que os participantes são todos especialistas de banda desenhada, teve mais uma baixa. José Baptista, que substituíra o acidentado ás da velocidade Mário do Rosário no comando da prova, sofreu também um percalço, apesar de conduzir com mais segurança. Perto do quilómetro 350, a sua viatura despistou-se bruscamente, por razões desconhecidas, numa curva pouco apertada, e saiu da estrada, indo enfaixar-se numa grande meda de feno que alguns trabalhadores agrícolas removiam para dois tractores. Felizmente, nenhum deles foi colhido pelo espampanante “bólide” sem direcção.

Segundo estas testemunhas, o Buick onde seguiam José Baptista e as suas assistentes ficou totalmente coberto de feno. Só se ouviam gemidos… mas pareciam de prazer!

Ao que apurámos, estes concorrentes sofreram um choque emocional — assim como o carro, cujo motor se foi abaixo — e resolveram desistir da corrida, que termina hoje, em Bragança, já depois do fecho desta edição.

Segunda-feira, 7 de Agosto de 1972

Terminou em Bragança, como estava anunciado, o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova por etapas organizada pelo ACP, com o patrocínio do nosso jornal, que já ontem à tarde tinha ficado reduzida a dois concorrentes, Vasco Granja e Roussado Pinto, depois dos acidentes sofridos por Mário do Rosário (que continua internado, mas livre de perigo) e José Baptista, acompanhado pelas suas assistentes.

Vasco Granja, que parecia ter todas as condições para ganhar tranquilamente a corrida, pois já levava um grande avanço sobre o seu adversário — que não é adepto de grandes velocidades, como nos declarou, mantendo sempre uma média de 50 kms à hora —, foi obrigado a desistir por causa de três furos simultâneos! Um azar dos diabos (passe a expressão), provocado, segundo os juízes da corrida, por excesso de peso.

Como já referimos na nossa reportagem, este concorrente, que também é coleccionador de banda desenhada, nunca se separa dos seus álbuns favoritos, edições raras e preciosas avaliadas em muitas centenas de escudos, e transportava mais de 30 quilos de bagagem. Por esse motivo é que não pode viajar de avião! 

Desclassificado por “grave falha técnica” (parece que os juízes não gostaram do excesso de peso), viu chegar a Bragança, já de noite, o concorrente em quem ninguém apostou, dado o seu manifesto desinteresse pela corrida (mas não pela comida, pois levou consigo uma magnífica merenda, digna de Pantagruel, como se fosse para um piquenique). 

Foi, pois, Roussado Pinto o vencedor do “Rally dos Quatro Magníficos”, cometendo uma proeza que ficará para a história do automobilismo, com o recorde da mais baixa velocidade em corridas do género. O troféu ser-lhe-á entregue em Lisboa, numa cerimónia em que estarão presentes altas individualidades do desporto e do Automóvel Clube de Portugal. Segundo uma fonte do ACP, o Citroën 2CV que se cobriu de glória na corrida, sem sofrer o menor dano, será também exposto ao público, no próximo Salão Automóvel.

Quarta-feira, 9 de Agosto de 1972

Para remate da reportagem com que acompanhámos o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova que acabou com a inesperada vitória de Roussado Pinto — um concorrente que tinha afirmado, antes da partida, não ter pressa em chegar à meta —, fomos ontem de manhã ao Hospital de S. José, em Lisboa, onde está internado Mário do Rosário, devido ao grave acidente que sofreu logo no primeiro dia da corrida, quando já levava vantagem sobre os seus três adversários.

Uma perna e um braço partidos e outras contusões mais ligeiras vão obrigá-lo a permanecer no hospital durante algumas semanas, o que não parece incomodá-lo, pois mantém o seu ar descontraído, espalhando bom humor à sua volta, como se estivesse num hotel, rodeado de amigos. As enfermeiras que o digam…

Nessa mesma manhã, tinha recebido a visita dos seus ex-adversários e o encontro deixou-o visivelmente satisfeito.

Quando entrámos no quarto, onde era, de momento, o único enfermo, saudou-nos efusivamente, apesar dos membros engessados não lhe permitirem muitos movimentos, e logo nos pôs a par dos seus últimos planos:

— Os meus amigos… isto é, os meus rivais… estão fartos de gozar comigo por eu ter a mania das velocidades. Mas se não fosse aquele estúpido animal, tinha ganho a corrida… e com grande avanço! Já ninguém me apanhava!

Pelos vistos, não perdera a prosápia nem a auto-confiança, como confirmaram as palavras seguintes, em tom peremptório:

Já lhes disse que se preparem para a desforra! Estou aqui para as curvas! Sou campeão de vendas com o Falcão! E hei-de vencer a próxima corrida!

Registámos esta declaração triunfal no nosso bloco-notas e fizemos questão de observar:

— Falta aqui um dos seus amigos… o Major Alvega…

Mário do Rosário percebeu a nossa ironia, mas retorquiu imediatamente, com um sorriso melífluo estampado no rosto:

— Não falta, não senhor… Esse está sempre ao meu lado!

E mostrou-nos uma mão-cheia de exemplares d’O Falcão, com histórias do Major Alvega, que tinha em cima da mesa dos medicamentos, ao pé da cama.

— Apesar do meu acidente, o Major Alvega continuará a voar, para deleite dos seus milhares de admiradores! Comigo, o trabalho está sempre adiantado…

Não temos pejo em confessar, amigo leitor, que esta foi uma das reportagens mais singulares que já realizámos em toda a nossa carreira jornalística. E admitimos também que nunca encontraremos, com toda a certeza, outra personalidade tão pitoresca como Mário do Rosário, que faz gala em afirmar que aprendeu com o Major Alvega a ser destemido como os pilotos da RAF, heróis da Segunda Guerra Mundial!

Um homem que, fiel a um dos seus nomes de baptismo (Durão), professa altivamente o lema “Dos fracos não reza a História”!

Nota final — Alguns leitores manifestaram a sua curiosidade sobre o nome desta corrida, criado também pelo Automóvel Clube de Portugal. Pois fiquem sabendo que os “quatro magníficos” não eram os concorrentes — embora bastante apreciados na sua área profissional —, mas as míticas viaturas que tiveram o prazer de conduzir… infelizmente com resultados desastrosos para alguns deles!

FIM da reportagem (e do conto) 

Repórter anónimo: Jorge Magalhães

 

O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 1

PEQUENA HOMENAGEM A MÁRIO DO ROSÁRIO (E OUTROS) EM FORMA DE CONTO HUMORÍSTICO

Notícia vinda a público no jornal Correio da Tarde, edição de 17 de Agosto de 2016:

«Vítima de doença incurável, faleceu ontem, com 89 anos, o antigo editor, publicista e técnico de meteorologia Mário Durão Ferreira do Rosário, cuja actividade editorial, entre 1960 e 1986, ficou indelevelmente ligada ao Grupo de Publicações Periódicas e a uma pequena revista de banda desenhada bastante popular durante esse período e que ainda hoje muitos leitores recordam: O Falcão.

Mário do Rosário retrato copyMário do Rosário, que foi o principal responsável da 2ª série, introduziu na revista inúmeros heróis de origem inglesa, entre os quais o famoso Battler Britton, “ás” da RAF e combatente da Segunda Guerra Mundial, a quem deu o nome de Major Alvega, que se tornou ainda mais célebre no nosso país —  uma espécie de instituição nacional, consagrada pela própria Força Aérea, que o adoptou como sua “mascote” na guerra colonial.

Mário do Rosário — que nunca viu esta medida com bons olhos, decidindo, por isso, em retaliação, “liquidar” o seu herói, cuja última aventura se intitulou simbolicamente “Os heróis também morrem” — foi, durante largos anos, funcionário do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, onde teve como companheiro de trabalho outro grande nome da BD portuguesa, o consagrado autor de narrativas históricas José Garcês.

Amigos e camaradas de profissão, assim como colaboradores de várias revistas de banda desenhada, como o Pim-Pam-Pum (suplemento do jornal O Século), o Jacto e O Falcão, eram quase da mesma idade e tinham amigos comuns, como o Professor António Martinó de Azevedo Coutinho, então residente e a leccionar em Portalegre.

Viusão - Falcão 577 170Foi José Garcês quem nos informou do falecimento de Mário do Rosário, tendo ao mesmo tempo a amabilidade de nos recordar uma reportagem que publicámos neste jornal há 44 anos, a propósito de uma corrida que ficou célebre nos anais do automobilismo português, intitulada o “Rally dos Quatro Magníficos”, em que participaram Mário do Rosário e os seus “rivais” Vasco Granja, Roussado Pinto e José Baptista, representantes das principais revistas juvenis que então se publicavam em Portugal, além de O Falcão: o Tintin, o Jornal do Cuto e o Mundo de Aventuras (todas já extintas).

Como o tema não perdeu interesse, pois José Garcês contou-nos que Mário do Rosário, trabalhador super-activo, era também um ferrenho adepto do desporto automóvel — e partiu dele a ideia de desafiar os seus colegas para uma corrida de carros antigos, com mais de 20 anos de fabrico, cujos modelos e marcas seriam escolhidos pelos concorrentes —, fomos respigar essa reportagem aos nossos vastos arquivos, já totalmente digitalizados. E encontrámo-la sem dificuldade.

O anónimo repórter encarregado de cobrir o evento, que causou sensação pelo seu ineditismo entre os automobilistas portugueses e o público em geral, desempenhou-se bem da missão, como os nossos leitores poderão constatar através do curioso relato que transcrevemos na nossa página online».

Sábado, 5 de Agosto de 1972 – Dia da partida

Esta corrida, organizada pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), tem apenas quatro participantes, quatro “rivais” de natureza especial, que resolveram medir forças no terreno, aceitando o desafio de um deles, o director de uma revista juvenil chamada O Falcão. Os outros também são profissionais de banda desenhada, dirigindo revistas da concorrência: o Tintin, o Jornal do Cuto e o Mundo de Aventuras.

Que levou, afinal, estes quatro homens, com os nomes de Mário do Rosário, Vasco Granja, Roussado Pinto e José Baptista, representando cada uma daquelas revistas, a degladiarem-se num “rally” que percorrerá durante dois dias o centro e o norte do país, partindo da pitoresca localidade de Sintra, nos arrabaldes de Cascais?

Apenas o desejo de demonstrarem as suas habilidades desportivas, como condutores de automóveis — neste caso, autênticas relíquias do passado, pertencentes ao ACP, que as pôs ao dispor dos concorrentes —, ou algo mais? Embora nenhum deles quisesse satisfazer a nossa curiosidade e a do público que segue com grande interesse a corrida, desde os seus preparativos encetados há uma semana, parece-nos que o verdadeiro móbil desta curiosa competição é a rivalidade jornalística que mantêm há longos anos.               

Fomos entrevistá-los momentos antes do início da corrida. Nenhum quis ser fotografado, para evitar, segundo afirmaram, banhos de multidão, pois sabem que o nosso jornal tem uma grande tiragem, chegando a todos os distritos do país.

Eis o que nos disse Mário do Rosário, transbordante de entusiasmo e de confiança, passando a mão, numa carícia, pela carroçaria do seu Volkswagen Beetle de 1950 (uma versão primitiva do célebre “Carocha”, que ainda circula nas nossas estradas):

Tenho esperanças de ganhar e vou dar tudo por tudo, como o famoso Major Alvega, um às da velocidade criado por mim no Falcão.

— Mas esse é piloto da RAF…

— E eu sou um ás em terra… Já ganhei muitas gincanas, sempre ao volante de um Volkswagen!

A seguir interpelámos Roussado Pinto, que conduz um Citroën 2CV. Reparámos que levava no carro um cesto com um farnel bem aviado. As suas declarações deixaram-nos surpresos:

— Estou aqui porque gosto de viajar. Por isso, escolhi um 2CV… Que melhor oportunidade para gozar dois dias de férias?

— Então, não se importa de ficar em último lugar?

— Qualquer me serve… Eu só quero chegar ao fim da corrida e apreciar tranquilamente a paisagem! A vida são dois dias, meu amigo… Para quê ter pressa?

Vasco Granja foi o entrevistado seguinte. Sempre aprumado e bem vestido, com as suas espampanantes gravatas, recebeu-nos junto de um típico Fiat 500 Topolino. A parte traseira estava cheia de livros.

Não leva peso a mais? — perguntámos. Granja sorriu com jovialidade:

— São álbuns de BD, edições raras e preciosas, autografadas pelos seus autores… Hergé, Franquin, Jacobs… Acha que eu ia deixá-los em casa? E se a assaltassem na minha ausência?

— Então, leva sempre esses álbuns consigo?

— Para todo o lado, camarada… para todo o lado!

— Mas podem roubá-los noutro sítio… Na rua, no hotel…

— Só se me matarem!

Pelos vistos, Vasco Granja, o mais mediático dos concorrentes, por já ter sido preso pela PIDE, não nutre também ambições de vitória, pois pareceu-nos mais preocupado com a bagagem do que com a corrida.

Faltava-nos ouvir José Baptista, também conhecido pelo acrónimo de Jobat, que não desmentia o seu ar de galã, visto estar de braço dado com duas beldades de se lhes tirar o chapéu. O carro, um Buick Roadmaster descapotável, de 1950, cheio de cromados, é tão vistoso e de formas tão atraentes como elas. 

— Sempre em boa companhia, José Baptista! Estas meninas vieram dar-lhe apoio?

— São o meu co-piloto e o meu mecânico… É mais fácil ganhar em equipa!

— Mas assim está em vantagem sobre os outros concorrentes… que conduzem sozinhos.

— Isso é lá com eles! O regulamento do ACP não me proíbe de ter ajudantes…

Com um carro como o Buick e um duo de assistentes tão “competente”, é óbvio que José Baptista também apostou forte no triunfo, sendo o concorrente que Mário do Rosário verá mais vezes pelo seu retrovisor.

Daí a pouco, foi dado o sinal de partida e as quatro gloriosas relíquias automóveis rolaram nas verdejantes estradas de Sintra, entre vetustas mansões de aspecto senhorial, até se perderem na distância como sombras do passado.

                                                                                                                     (página 1 de 2)

VASCO GRANJA – VIVÊNCIA E MEMÓRIA

EXPOSIÇÃO NO CENTRO CULTURAL DE CASCAIS

Vasco Granja foto455

Vasco Granja panfleto 1456A incontornável relação de Vasco Granja com os desenhos animados — à qual ficou a dever grande parte do seu renome como figura pública e a sua aura junto dos mais (e dos menos) jovens —, foi pretexto para uma pequena mas notável exposição inaugurada na passada sexta-feira, dia 6 de Março, no Centro Cultural de Cascais, com a presença de distintas personalidades como Carlos Carreiras, Presidente do município, José de Matos-Cruz, comissário da exposição, e Cecília Granja, filha de Vasco Granja e principal herdeira e curadora do seu precioso espólio.

O numeroso público presente ficou encantado não só com o acervo bibliográfico e fotográfico exposto, constituído na sua maioria por obras sobre cinema de animação, em várias línguas, mas também com os filmes projectados durante a sessão, nomeadamente diversas curtas-metragens de Tex Avery, que com zelo e paciência Cecília e os seus familiares recuperaram digitalmente das gravações em VHS conservadas por Vasco Granja, com “religioso” fervor, no seu santuário doméstico, cheio de relíquias de duas (ou mais) carreiras paralelas, marcadas por inúmeros contactos internacionais.

Vasco Granja panfleto 2  457A exposição Vasco Granja e o Cinema de Animação, patrocinada pela Fundação D. Luís I, estará patente no Centro Cultural de Cascais até ao próximo dia 19 de Abril e merece uma visita de todos os que se deslocarem à bela vila da linha do Estoril, onde as actividades recreativas e culturais têm estado em foco nos últimos anos, graças ao dinamismo dos seus responsáveis autárquicos, em colaboração com diversas entidades.

Transcrevemos seguidamente, com o maior prazer, um folheto editado no âmbito desta mostra, em cujos textos José de Matos-Cruz, Cecília Granja e outros familiares do homenageado contextualizaram o fecundo percurso biográfico e profissional de Vasco Granja, um dos maiores dinamizadores culturais da sociedade portuguesa, nos anos 50 a 90, cuja presença em inúmeros programas da RTP ainda hoje é calorosamente recordada por muitos dos seus admiradores.

Amador esclarecido — que conviveu com literatos, artistas, críticos, cineastas, editores, desenhadores —, autodidacta de grande craveira intelectual, foi também Vasco Granja que introduziu no nosso léxico a expressão “banda desenhada”, hoje genericamente consagrada, em detrimento da tradicional “histórias aos quadradinhos”.

Vasco Granja panfleto 3 e 4Vasco Granja panfleto 5 e 6

VASCO GRANJA, JOSÉ RUY E O 25 DE ABRIL

Em 2003, durante uma série de homenagens a Vasco Granja, uma das figuras mais populares e carismáticas da BD portuguesa no último quartel do século XX, as Edições ASA convidaram-me para coordenar um livro sobre a vida e a obra daquele que ficou conhecido, entre os mais jovens espectadores da RTP, pela alcunha pitoresca de “pai da Pantera Cor-de-Rosa”, embora tivesse sido, pela sua militância cultural, cívica e política, ao longo de várias décadas, muito mais do que apresentador de um célebre programa de televisão.

Vasco Granja  e o 25 de Abril  foto191 Explorando múltiplos aspectos da ecléctica personalidade de Vasco Granja, essa monografia, com o título “Uma Vida… 1000 Imagens”, reuniu um elenco de destacados desenhadores que criaram várias histórias, com argumentos meus, em que Vasco Granja (ou o seu alter ego) se transformava também num herói de BD. Tive assim, sob esse grato pretexto, a oportunidade de trabalhar, pela primeira vez, com alguns artistas que há muito admirava (e ainda admiro), e ao mesmo tempo de prolongar a homenagem num registo mais divertido e fantasista ou numa dimensão mais onírica — ainda que biográfica, sob certos aspectos —, a que resolvi chamar, parafraseando livremente o mítico Moebius,   “A Garagem Aberta de Vasco Granja”.

O resultado excedeu as minhas expectativas, menos por mérito pessoal do que graças ao talento dos desenhadores envolvidos nesse projecto (apesar da opinião pouco abonatória de certo crítico da altura, cujo nome me dispenso de citar); e o mais importante é que Vasco Granja se reviu com gosto nessas amenas caricaturas, em que, a par dos elementos de pura ficção, se espelhavam algumas facetas do seu carácter profundamente humanista e também vários percursos da sua carreira atribulada, entre ofícios e campanhas, tanto culturais como políticas, a que dedicou, com paixão e coragem, grande parte da sua vida.

Vasco Granja  e o 25 de Abril  1 192 Na história curta que a seguir apresentamos, e que assinala a minha primeira colaboração, como argumentista, com Mestre José Ruy, a ideia foi relacionar o papel de pioneiro de Vasco Granja na área dos fanzines de banda desenhada (entre outras) com a faceta bem conhecida de resistente anti-fascista, que nunca baixou os braços, antes do 25 de Abril, em defesa das suas convicções. E, como a muitos outros, isso valeu-lhe ser perseguido pela Pide e preso várias vezes, por motivos quase irrisórios, como o de se dedicar a actividades cineclubistas ligadas ao cinema dos países da então chamada “Cortina de Ferro”.

É claro que nesta história, ilustrada a preceito por José Ruy, com uma noção detalhista, como é seu timbre, dos lugares e das personagens, que se transfiguram em imagens reais, arrancadas ao quotidiano — mesmo quando trabalha em temas históricos, como a “Peregrinação” ou “Porto Bonvento” —, o objectivo era pôr a nu e a ridículo os métodos da polícia política, num tempo em que todos os cidadãos eram suspeitos e a desconfiança dos sicários do regime, relativamente aos que mantinham sob mais apertada vigilância, atingia, por vezes, as raias do absurdo.

O nome da tipografia “clandestina” que dá o título à história foi inspirado pelo de um oficial do mesmo ofício, com quem trabalhei durante muitos anos, no tempo (que me parece já tão distante) em que tinha a meu cargo o Mundo de Aventuras.

Vasco Granja  e o 25 de Abril  2 193 copy

Vasco Granja  e o 25 de Abril  3