CALENDÁRIOS ILUSTRADOS – 9

Iniciamos hoje uma nova série, igualmente magnífica, que a Empresa Fabril do Norte dedicou aos castelos portugueses, ilustrando com esse tema o seu calendário de 1954.

Espalhados por várias zonas do país, os castelos — testemunhas de alguns dos maiores acontecimentos da nossa História — são, sem dúvida, o exemplo mais vivo da beleza e do valor de um monumental património arquitectónico, cuja fundação, em muitos casos, é anterior à da própria nacionalidade.

Infelizmente, não conseguimos ainda apurar (com absoluta certeza) a identidade do autor destes belíssimos quadros, que tal como os de Mário Costa tornam ainda mais digna de apreço a série de calendários editados pela Empresa Fabril do Norte, entidade que soube aliar aos seus objectivos primordiais nas áreas do comércio e da indústria um inegável interesse pela arte e pela cultura.

Presumivelmente, trata-se de um artista do Norte, Valentim Malheiro (1917-2008), natural do Porto, cujo percurso (segundo a Wikipédia) «se cruzou com o de várias gerações de importantes artistas, tendo sido discípulo de Joaquim Lopes, Dórdio Gomes e Acácio Lino, amigo de Henrique Medina, colega de curso de Mendes da Silva, António Cruz e Júlio Resende, bem como professor de Domingos Pinho, Alberto Carneiro e Zulmiro de Carvalho, para citar apenas os nomes mais proeminentes».

A sua carreira docente estendeu-se também à Escola de Artes Decorativas António Arroio, em Lisboa. Participou em várias exposições colectivas e individuais, revelando-se um aguarelista de grande mérito, premiado pela Associação Comercial do Porto e pela Sociedade Nacional de Belas Artes.

calendario-1954-fevereiro

NOVO COLÓQUIO NA BNP SOBRE A HISTÓRIA DO CROMO COLECCIONÁVEL EM PORTUGAL

unnamed

Na próxima quinta-feira, dia 2 de Março, às 17h30, o Clube Português de Banda Desenhada, representado por Carlos Gonçalves e João Manuel Mimoso, realiza nova palestra no âmbito da exposição que se encontra patente na Biblioteca Nacional até ao dia 29 de Abril de 2017 — para recordar uma grande editora (não só na publicação de Revistas de Banda Desenhada como de Cadernetas de Cromos) e prestar também merecida homenagem a Carlos Alberto Santos, um notável desenhador, pintor, ilustrador e criador de magníficas colecções de cromos, que nos deixou recentemente.

Na Folha de Sala da BNP, que a seguir reproduzimos, podem ler um excelente artigo de João Manuel Mimoso sobre o tema desta exposição.

cromos_fs_bnp1-1

cromos_fs_bnp1-2

A QUINZENA CÓMICA – 32

FOLGUEDOS DE CARNAVAL

cara-alegre-76

Em plenos festejos carnavalescos — que para muitos (e muitas) continuam a ser bem animados, como nos belos tempos em que não havia crise —, aqui têm outra garrida capa do Cara Alegre, ilustrada por José Viana, cujos êxitos no teatro de revista se somaram aos seus indiscutíveis dotes de cartunista (rima e é verdade!), no mesmo género (o humor) em que tanta popularidade conquistou entre o público. Lamenta- velmente, comparando as duas carreiras, a sua faceta de artista gráfico (em que também teve muitos admiradores) sempre se apagou perante a sua paixão pelo teatro.

JOSÉ PIRES E JEAN-LUC VERNAL

José Pires não foi o primeiro desenhador português a colaborar numa das mais prestigiosas revistas europeias de BD: o Tintin belga; mas foi seguramente o que mais páginas publicou nessa revista, em parceria com dois talentosos argumentistas, então ainda no início de uma promissora carreira: Jean Dufaux e Benoît Despas.

Tudo isso só se tornou possível porque o chefe de redacção do Tintin era Jean-Luc Vernal, um homem profissionalmente de vistas largas que soube avaliar os méritos artísticos de José Pires, dando-lhe o ensejo de iniciar também uma nova carreira (pois em Portugal, até essa data, tinha publicado ainda poucas obras, preferindo dedicar-se a tempo inteiro à publicidade).

O gesto de Jean-Luc Vernal valeu-lhe a gratidão e a admiração de José Pires, que passou a ser (re)conhecido dentro e além fronteiras do seu país, como um versátil autor de BD a quem estava reservado um brilhante futuro.

jean-luc-vernalNo depoimento que se segue, José Pires expressa mais uma vez a sua admiração, respeito e estima por aquele que lhe proporcionou a primeira grande (e bem sucedida) aventura da sua carreira, recordando uma relação profissional que a breve trecho se transformou numa excelente amizade, tanto com Vernal como com Dufaux e Despas. Tempos profícuos e gloriosos, que a infausta notícia do falecimento de Jean-Luc Vernal trouxe de novo à memória de José Pires e que este com viva emoção, decidiu partilhar com os nossos leitores — entre os quais se contam certamente muitos admiradores da sua obra —, num preito de homenagem a outro grande autor de BD chamado Jean-Luc Vernal! 

JE VOUS REMERCIE BIEN, MONSIEUR VERNAL, ET À TOUT À L’HEURE!

Foi por Jorge Magalhães que recebi a infausta notícia do recente falecimento de Jean-Luc Vernal. Pelo verdadeiro Senhor que ele foi e por todo o apoio e consideração demonstrada que recebi dele, tal notícia provocou-me severo abalo psicológico. Foi ele quem me abriu as portas do lendário magazine belga Tintin, no já distante ano de 1984. Foi nessa altura que me decidi a enviar às Editions du Lombard a capa e 10 páginas avulsas do meu álbum do Will Shannon, “O Poço da Morte”, mais tarde publicado pela Editorial Futura numa das suas colecções.

Infelizmente, os meus fracos conhecimentos de francês levaram-me a cometer um erro logo no título da capa (Puit, em vez de Puits), mas nem mesmo isso fez Jean-Luc Vernal atirar-me para o cesto dos papéis. Dias depois, vislumbrei na minha caixa de correio o timbre inconfundível de Tintin e Milou impressos a vermelho num envelope que me era dirigido. Tratava-se de uma missiva de Monsieur Vernal que me dizia que, face a não poder emitir uma opinião sobre uma história de 46 páginas, das quais apenas podia ver 10, ainda por cima sem texto em francês!, nada podia decidir.

la-mort-de-natchezAssim, propunha-me se eu estaria disposto a fazer a experiência num “maxi-chapitre” (história de 15/16 páginas), de colaboração com um argumentista belga. Claro que aceitei e foi assim que travei conhecimento com o Jean Dufaux, que na altura começava a despontar nos quadros da editora Lombard.

Jean Dufaux (de quem eu jamais ouvira falar) mandou-me as primeiras páginas de uma história intitulada “La Mort de Natchez”, que tinha como personagem principal um mestiço apache/mexicano chamado Irigo. Dizia-me que havia gostado do meu estilo de desenho e estava disposto a colaborar comigo futuramente: acabámos por fazer seis episódios do Irigo (e um extra), mais do que o suficiente para dois álbuns. É curioso que enquanto por aqui os nossos “experts” me achavam um seguidor de Franco Caprioli, por causa do meu pontilhado, na Bélgica chamavam-me o “Manara Portugais”, o que estava mais de acordo com a realidade, pois eu seguira os processos gráficos de Milo Manara, desenvolvidos na sua série Giuseppe Bergman.

Depois fui até Bruxelas, onde Monsieur Vernal, um sujeito alto e bem parecido, me recebeu galhardamente na redacção da Lombard. Manifestou-me o seu agrado pelo meu trabalho e foi então que me apresentou o Jean Dufaux, com o qual mantive uma longa relação de amizade. Chegou mesmo a passar uma semana em Portugal, ficando hospedado em minha casa. Mais tarde, Jean Dufaux, que se incompatibilizara com a nova direção da Lombard (uma editora Católica), foi trabalhar para França, com a Glénat, deixando-me sem saber o que fazer à vida, pois eu já me acomodara com os francos belgas que vinham mensalmente da editora.

Resolvi, pois, fazer uma adaptação de “A Morte do Lidador”, de Alexandre Herculano, baseada na que fizera 30 anos antes Eduardo Teixeira Coelho. Mas tal ideia revelou-se impraticável: os estilos de paginação e legendagem eram incompatíveis com os actuais. Deste modo, tive de fazer uma nova planificação e, com a ajuda de um colega que era professor de francês, enviei as 10 páginas, desta vez com texto em francês, para a Bélgica. Monsieur Vernal aceitou o meu trabalho, que foi também publicado no Tintin, em 1987, sob o título “La Mort du Batailleur”.

Abriu-me assim, pela segunda vez, as portas da revista que dirigia e, dizendo-me que “vous êtes vraiment à l’aise au Moyen Age”, arranjou-me um segundo guionista belga, Benoît Despas, que ele tinha recentemente admitido como colaborador, e que era especialista em assuntos da Idade Média.

du-guesclin-copyCom Benoît Despas fiz várias histórias de carácter medieval, como uma série sobre o Condestável francês Bertrand du Guesclin, que acabou publicada no Kuifje, a versão flamenga do Tintin. Um periódico local comentou tratar-se “da história de um Condestável francês, contada aos flamengos, escrita por um valão e desenhada por um português!”

Mas, por imposição dos herdeiros de Monsieur Hergé, o jornal Tintin acabou, sendo substituído por uma nova publicação, agora com o título de Hello BD. Ali, a convite de Monsieur Vernal, eu e o Benoît Despas fizemos uma série sobre os Templários, que acabaria por se tornar no meu primeiro álbum em língua estrangeira, tudo graças aos bons ofícios de Monsieur Vernal. Esse álbum, “Le Sang et la Gloire”, acabou mesmo por ser o mais vendido no mercado francófono na sua semana de lançamento.

Mais tarde, estive de novo em Bruxelas e, na companhia de Benoît Despas, tive uma nova entrevista com Monsieur Vernal, que nos encomendou nada menos de três álbuns, para executar no ano seguinte! Um sobre a guerra dos Boers, outro sobre os Francos e um terceiro sobre os Apaches, pois Monsieur Vernal achava que eu era muito competente a desenhar índios. Mas estes projectos jamais se realizariam. Monsieur Vernal seria substituído por Yves Sente, que desde logo descartou a encomenda feita, fechando-me as portas da editora, agora que o Hello BD terminara a carreira e a editora passara a dedicar-se inteiramente aos álbuns, acabando com a pré-publicação.

os-celtas-miticosTempos depois, em 1994, fui contactado por Monsieur Vernal, que, tendo em vista uma editora própria, me convidava para trabalhar com ele numa série de álbuns de sua autoria, de carácter fantástico, pedindo-me ao mesmo tempo para eu fazer uma prospecção junto das editoras portuguesas com as quais eu trabalhava, para lhe manifestarem o seu eventual interesse nas suas futuras produções. Desta feita, enviei-lhe os desenhos que ele me pedira e notas de encomenda da Meribérica, das Edições ASA, da Futura e das Edições Âncora.

Mas nunca mais tive notícias de Monsieur Vernal, nem sei se a sua editora chegou alguma vez a existir, pois ele necessitava de um suporte bancário para avançar com o seu projecto. Tive agora a infausta notícia do seu falecimento, aos 72 anos apenas. Mas jamais esquecerei a sua figura e o seu fidalgo trato para comigo e tudo quanto lhe fiquei a dever. Que Deus o tenha no seu eterno descanso, cher Monsieur Vernal!                         JOSÉ PIRES

APRESENTAÇÃO DE UMA BD ESPECIAL SOBRE O CLIMA NO MUSEU BORDALO PINHEIRO

convite-reportagem-especial

Reportagem Especial é um notável trabalho sobre as consequências das alterações climáticas no nosso país (e o que deve ser feito para as evitar ou minorar), editado pela Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito do projecto ClimaAdapt.Local, com guião de Bruno Pinto, grafismo de Penim Loureiro e cores de Quico Nogueira, que está desde há meses disponível em versão digital (http://climadapt-local.pt/), como refere o texto que a seguir reproduzimos, publicado no Diário de Notícias em 8/11/2016.

12-ambiente-dn-08-novembro-16

MARIA ISABEL DE MENDONÇA SOARES – UMA VIDA DEDICADA À LITERATURA INFANTIL

ma-isabel-m-soares-retratoA escritora Maria Isa­bel de Mendonça Soares, que dedicou a vida à promoção do livro infantil, faleceu no passado dia 24 de Janeiro, aos 95 anos. Nascida em Lisboa, em 1922, era autora de dezenas de livros para crianças, tendo começado a es­crever na década de 1940.

De acordo com a biografia patente na página oficial da Direcção-Geral do Li­vro, dos Arquivos e das Biblio­tecas (DGLAB), a autora fundou as Bibliotecas Infantis “A Desco­berta”, da Associação de Pedagogia Infantil, e dedicou-se du­rante várias décadas à forma­ção de educadores de infância e ao ensino de Literatura para a Infância e Cultura Portuguesa. Foi ainda tradutora de livros para crianças, como, por exemplo, a série “Pedrito Coelho”, de Beatrix Potter, e adap­tou contos tradicionais e po­pulares.

«A obra desta autora é essencialmente de carácter pedagó­gico. Atenta aos problemas do seu tempo e às crianças, directas destinatárias da sua obra. num estilo leve e carregado de humor, não renuncia ao seu lugar de adulto junto das crianças», lê-se nessa biografia.

fagulha-livro-de-contos369Entre as obras de Maria Isa­bel de Mendonça Soares cons­tam “Os Marujinhos Perderam o Norte” (1958), “Roda Roda” (1969). “Algodão e Algodinho” (1973), “Viva a Laranja” (1977), “Contos no Jardim” (1977) e “Dias de Festa”. Colaborou ainda em várias publicações para a infân­cia, algumas das quais ligadas à Mocidade Portuguesa, como Lusitas, Fagulha, Girassol, Ca­maradaPisca-Pisca, FarolJoão Ratão e Fungagá da Bicharada.

Nesta área, a autora agora desaparecida deixou avultada obra, sobretudo em duas revistas editadas pela Mocidade Portuguesa Feminina, a Lusitas e a Fagulha, onde além de contos redigiu também argumentos para histórias aos quadradinhos. Alguns desses contos estão compilados no 1º volume da Colecção «Fagulha», cuja capa acima reproduzimos. Provavelmente foi o único número publicado dessa colecção, pois a revista Fagulha terminou a sua existência logo após o 25 de Abril.

Em complemento destas páginas que mostram dois trabalhos de Maria Isabel de Mendonça Soares para a Fagulha, com ilustrações de José Garcês e Júlio Gil, em forma de BD, reproduzimos também uma breve mas elucidativa entrevista, publicada no Jornal da Madeira em 6/4/1988, que a autora concedeu a Maria Margarida Macedo Silva (fundadora e directora da rede de Bibliotecas Infanto-Juvenis “O Jardim”), e na qual se refere detalhadamente à sua colaboração em várias revistas infanto-juvenis.

Nota: agradecemos a Carlos Gonçalves ter-nos facultado este documento.

 (Para ver/ler as imagens em toda a sua extensão, clique duas vezes sobre as mesmas).

FANZINES DE JOSÉ PIRES (FEVEREIRO 2017)

capa-falsa-acusacao

Por cortesia de José Pires, nosso amigo de longa data, companheiro de muitas tertúlias desde os tempos heróicos em que lançámos o Fandaventuras e o Fandwestern, dois fanzines que ainda estão em publicação, graças ao incansável labor deste apaixonado pela BD clássica, que os edita mensalmente, com infalível pontualidade (mas agora a solo), apresentamos as edições distribuídas em Fevereiro, com novos episódios de duas séries carismáticas (Matt Marriott Terry e os Piratas) e a reedição da primeira história desenhada pelo saudoso artista português Vítor Péon para a mítica revista O Mosquito, na sua estreia, em 1943, como autor de banda desenhada.

Neste número, figura também uma história curta de Péon, com o título “Traidor em Fuga”, realizada em 1946 para O Pluto, revista dirigida e editada por Roussado Pinto, em que Péon foi o principal colaborador artístico, ilustrando-a de uma ponta à outra, num alarde de talento, versatilidade e energia criativa.

Estes fanzines já se encontram à venda na Loja de José Manuel Vilela, Calçada do Duque, 19-A, 1200-155, Lisboa, mas podem também ser encomendados ao editor, por quem não mora na capital, bastando escrever para o e-mail gussy.pires@sapo.pt.

pag-falsa-acusacao-1

pag-falsa-acusacao-2

Recorde-se que Terry e os Piratas foi apresentada na fase final d’O Mosquito (1952-53) e posteriormente no Mundo de Aventuras, quando era desenhada por George Wunder, sucessor de Milton Caniff. Quanto a Matt Marriott é uma série inglesa, também em tiras diárias, desenhada por Tony Weare e escrita por James Edgar, que aborda com extraordinário realismo a colonização do Oeste americano em finais do século XIX, distanciando-se dos westerns da série B, nomeadamente os de feição mais juvenil.

Muitos dos seus episódios foram publicados no Mundo de Aventuras (formato pequeno) e na Colecção Tigre, como o que deu o título a este número do Fandwestern.

nimbus-mcbride

nimbus-1

nimbus-2

capa-no3terry-e-os-piratas-pag

A QUINZENA CÓMICA – 31

SERENATA À CHUVA

Mesmo nos dias chuvosos, não faltam aos cartoonists motivos de inspiração, como o que José Viana encontrou para esta capa do Cara Alegre. Claro que o tema nada tem a ver com o célebre filme musical realizado por Stanley Donen em 1952, nem  com a cena em que Gene Kelly executa um sapateado debaixo de uma carga de água.

Fica a homenagem, sugerida pelo título deste post, a uma eterna melodia que parece tornar a chuva mais agradável e a um grande humorista a quem se devem algumas das melhores “cenas” do Cara Alegre e do teatro de revista português.