ALMOÇO DE ANIVERSÁRIO E PALESTRA DO CLUBE PORTUGUÊS DE BANDA DESENHADA

O CPBD completa, em 28 de Junho, 41 anos de existência. Como normalmente acontece, tal facto é comemorado com um almoço de confraternização, que se realiza no próximo sábado, dia 24 de Junho, no Restaurante “Chafariz das Gravatas”, Av. Elias Garcia 109B – Amadora (precisamente na esquina da Av. do Brasil com a Rua Elias Garcia). 

Pede-se aos sócios que desejem participar no almoço que façam a sua inscrição até às 24 horas de amanhã, quinta-feira. Em continuidade dessa celebração, terá lugar na sede do CPBD, pelas 16h30, uma palestra com outro ilustre convidado, o Dr. Manuel João Ramos, professor de Antropologia e também autor de BD. 

EXPOSIÇÃO “QUADRADINHOS PORTUGUESES” NA CIDADELA DE CASCAIS

Esta exposição, comissariada por José de Matos-Cruz — e patrocinada pela Câmara Municipal de Cascais e pela Fundação D. Luís I, no âmbito da programação do Bairro dos Museus —, será inaugurada no próximo sábado, dia 24 de Junho, às 19h00, na Cidadela de Cascais, ficando aberta ao público até 3 de Setembro do corrente ano.

MULHERES FANTÁSTICAS – 8

A Mulher-Maravilha é a heroína de uma nova colecção da parceria Público/Levoir, nas bancas às quintas-feiras, constituída por cinco volumes com algumas das melhores histórias da série, assinadas por grandes criadores como George Pérez, Greg Rucka, Grant Morrison, J. G. Jones ou Christopher Moeller. Uma colecção a não perder, que prolonga o sortilégio da Mulher-Maravilha, princesa da mítica ilha das Amazonas, abordado também, finalmente, pelo cinema, numa super-produção coroada de êxito.

OLHA AS LINDAS MARCHAS!

Pelo traço de Mestre José Ruy, em Quadradinhos nº 54, 2ª série, de 20/6/1981 (suplemento do extinto vespertino A Capital, dirigido por Adolfo Simões Müller), chega-nos um pitoresco desfile das marchas populares desse festivo mês de Junho, enquadradas por famosos heróis de papel, de arquinho e balão em punho, que ainda hoje fazem as delícias dos seus inúmeros admiradores, num renovado preito de homenagem aos magistrais artistas que os criaram há muitas décadas.

E até Tom Sawyer e Ivanhoe se aliaram à festa… como convidados especiais do Quadradinhos, um suplemento que, fiel ao lema do seu director, procurava não só divertir como instruir, fomentando também entre os mais jovens o convívio com os heróis dos clássicos literários, através da fusão entre o texto e a imagem.   

A QUINZENA CÓMICA – 37

As eternas festas dos Santos Populares, que animam neste cálido mês de Junho as ruas e os bairros de Lisboa e Porto e de outras localidades do país, foram também, por diversas vezes (como já aqui mostrámos), tema de capas do Cara Alegre, com alguns dos seus símbolos mais icónicos e pitorescos efusivamente retratados por artistas de feição igualmente popular, em especial José Viana, Stuart e José Manuel Soares.

Parece que hoje o símbolo mais em voga é a sardinha… Pudera! Ao preço que ela está e com as enchentes que se registam nos arraiais e nas “tasquinhas” que surgem em cada esquina, o melhor petisco das festas é também o melhor negócio do mês!

EXPOSIÇÃO DE DESENHOS DE NUNO SARAIVA DEDICADOS ÀS FESTAS DE LISBOA

O colectivo artístico Passevite inaugura no próximo sábado, dia 10 de Junho, pelas 19h00, uma exposição de desenhos de Nuno Saraiva, intitulada “Festas. Os Originais!”, que terá lugar no nº 54-A da Rua Maria da Fonte, aos Anjos, em Lisboa.

Nela estarão patentes, até 29 de Junho, os desenhos originais de Nuno Saraiva, traçados a tinta da china e marcador sobre papel, apresentados em estado virgem antes de serem maculados pelas cores que têm alegrado as FESTAS de LISBOA.

JOSÉ COELHO (UM ARTISTA DE MOURA): NOVA BIOGRAFIA ILUSTRADA POR CARLOS RICO

De pequenino… não torceu o pepino! Mas tocou música!

O nosso querido amigo Carlos Rico publicou recentemente, com o apoio da Câmara Municipal de Moura — linda cidade que trazemos no coração, devido aos saudosos Salões de Banda Desenhada —, um opúsculo muito bem ilustrado (no seu estilo inconfundível) sobre JOSÉ COELHO, um músico da terra, autodidacta, cuja vida foi um exemplo de paixão e dedicação a essa melodiosa arte.

A obra apresenta-se, já se vê, em quadradinhos com filacteras e texto, à razão de uma vinheta por página, num formato quadrado, relatando, no final, algumas curiosidades que explicam certos traços biográficos desenvolvidos por Carlos Rico ao longo das páginas.

O conjunto é agradável, com aquelas afinadas notas humorísticas que o Carlos sabe extrair como poucos dos seus “instrumentos”. Claro que recomendamos aos nossos leitores a aquisição desta obra, bastando para isso entrar em contacto com a Câmara de Moura ou com o próprio Carlos Rico: carlos.rico@cm-moura.pt

Mais um excelente trabalho para a sua bibliografia. E apetece-nos perguntar: para quando o próximo? Porque sabemos que o Carlos tem sempre novos projectos na manga… todos com temas humorísticos, mesmo quando os trata de forma séria!

Catherine Labey/Jorge Magalhães