O “RALLY” DOS QUATRO MAGNÍFICOS – 2

PEQUENA HOMENAGEM A MÁRIO DO ROSÁRIO (E OUTROS) EM FORMA DE CONTO HUMORÍSTICO

Notícia publicada na página online do jornal Correio da Tarde, edição de 17 de Agosto de 2016 (2 de 2):

Domingo, 6 de Agosto de 1972 (12h30)

As primeiras notícias da corrida são pouco animadoras e já há apostadores desiludidos, pois registou-se um acidente, perto da Nazaré, que quase ia vitimando Mário do Rosário, o concorrente que, fazendo jus ao seu favoritismo, levava quase meia hora de avanço sobre o mais próximo perseguidor, José Baptista.

Um cão que apareceu, de repente, na estrada, diante do carro lançado a alta velocidade, fez Mário do Rosário perder o controle da viatura e embater num poste de iluminação, depois de ter rodopiado algumas dezenas de metros, sem capotar. O Volkswagen ficou muito danificado e o seu condutor, gravemente ferido, teve de ser levado para o hospital. Aguarda-se ainda o primeiro boletim médico. Mas a corrida prossegue, agora com mais hipóteses de vitória para José Baptista e a sua equipa feminina.

Outro boletim noticioso, que fez manchete na última página do jornal desse mesmo dia:

Última hora — O “Rally dos Quatro Magníficos”, como foi baptizada esta singular corrida organizada pelo Automóvel Clube de Portugal e patrocinada pelo nosso vespertino, em que os participantes são todos especialistas de banda desenhada, teve mais uma baixa. José Baptista, que substituíra o acidentado ás da velocidade Mário do Rosário no comando da prova, sofreu também um percalço, apesar de conduzir com mais segurança. Perto do quilómetro 350, a sua viatura despistou-se bruscamente, por razões desconhecidas, numa curva pouco apertada, e saiu da estrada, indo enfaixar-se numa grande meda de feno que alguns trabalhadores agrícolas removiam para dois tractores. Felizmente, nenhum deles foi colhido pelo espampanante “bólide” sem direcção.

Segundo estas testemunhas, o Buick onde seguiam José Baptista e as suas assistentes ficou totalmente coberto de feno. Só se ouviam gemidos… mas pareciam de prazer!

Ao que apurámos, estes concorrentes sofreram um choque emocional — assim como o carro, cujo motor se foi abaixo — e resolveram desistir da corrida, que termina hoje, em Bragança, já depois do fecho desta edição.

Segunda-feira, 7 de Agosto de 1972

Terminou em Bragança, como estava anunciado, o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova por etapas organizada pelo ACP, com o patrocínio do nosso jornal, que já ontem à tarde tinha ficado reduzida a dois concorrentes, Vasco Granja e Roussado Pinto, depois dos acidentes sofridos por Mário do Rosário (que continua internado, mas livre de perigo) e José Baptista, acompanhado pelas suas assistentes.

Vasco Granja, que parecia ter todas as condições para ganhar tranquilamente a corrida, pois já levava um grande avanço sobre o seu adversário — que não é adepto de grandes velocidades, como nos declarou, mantendo sempre uma média de 50 kms à hora —, foi obrigado a desistir por causa de três furos simultâneos! Um azar dos diabos (passe a expressão), provocado, segundo os juízes da corrida, por excesso de peso.

Como já referimos na nossa reportagem, este concorrente, que também é coleccionador de banda desenhada, nunca se separa dos seus álbuns favoritos, edições raras e preciosas avaliadas em muitas centenas de escudos, e transportava mais de 30 quilos de bagagem. Por esse motivo é que não pode viajar de avião! 

Desclassificado por “grave falha técnica” (parece que os juízes não gostaram do excesso de peso), viu chegar a Bragança, já de noite, o concorrente em quem ninguém apostou, dado o seu manifesto desinteresse pela corrida (mas não pela comida, pois levou consigo uma magnífica merenda, digna de Pantagruel, como se fosse para um piquenique). 

Foi, pois, Roussado Pinto o vencedor do “Rally dos Quatro Magníficos”, cometendo uma proeza que ficará para a história do automobilismo, com o recorde da mais baixa velocidade em corridas do género. O troféu ser-lhe-á entregue em Lisboa, numa cerimónia em que estarão presentes altas individualidades do desporto e do Automóvel Clube de Portugal. Segundo uma fonte do ACP, o Citroën 2CV que se cobriu de glória na corrida, sem sofrer o menor dano, será também exposto ao público, no próximo Salão Automóvel.

Quarta-feira, 9 de Agosto de 1972

Para remate da reportagem com que acompanhámos o “Rally dos Quatro Magníficos”, prova que acabou com a inesperada vitória de Roussado Pinto — um concorrente que tinha afirmado, antes da partida, não ter pressa em chegar à meta —, fomos ontem de manhã ao Hospital de S. José, em Lisboa, onde está internado Mário do Rosário, devido ao grave acidente que sofreu logo no primeiro dia da corrida, quando já levava vantagem sobre os seus três adversários.

Uma perna e um braço partidos e outras contusões mais ligeiras vão obrigá-lo a permanecer no hospital durante algumas semanas, o que não parece incomodá-lo, pois mantém o seu ar descontraído, espalhando bom humor à sua volta, como se estivesse num hotel, rodeado de amigos. As enfermeiras que o digam…

Nessa mesma manhã, tinha recebido a visita dos seus ex-adversários e o encontro deixou-o visivelmente satisfeito.

Quando entrámos no quarto, onde era, de momento, o único enfermo, saudou-nos efusivamente, apesar dos membros engessados não lhe permitirem muitos movimentos, e logo nos pôs a par dos seus últimos planos:

— Os meus amigos… isto é, os meus rivais… estão fartos de gozar comigo por eu ter a mania das velocidades. Mas se não fosse aquele estúpido animal, tinha ganho a corrida… e com grande avanço! Já ninguém me apanhava!

Pelos vistos, não perdera a prosápia nem a auto-confiança, como confirmaram as palavras seguintes, em tom peremptório:

Já lhes disse que se preparem para a desforra! Estou aqui para as curvas! Sou campeão de vendas com o Falcão! E hei-de vencer a próxima corrida!

Registámos esta declaração triunfal no nosso bloco-notas e fizemos questão de observar:

— Falta aqui um dos seus amigos… o Major Alvega…

Mário do Rosário percebeu a nossa ironia, mas retorquiu imediatamente, com um sorriso melífluo estampado no rosto:

— Não falta, não senhor… Esse está sempre ao meu lado!

E mostrou-nos uma mão-cheia de exemplares d’O Falcão, com histórias do Major Alvega, que tinha em cima da mesa dos medicamentos, ao pé da cama.

— Apesar do meu acidente, o Major Alvega continuará a voar, para deleite dos seus milhares de admiradores! Comigo, o trabalho está sempre adiantado…

Não temos pejo em confessar, amigo leitor, que esta foi uma das reportagens mais singulares que já realizámos em toda a nossa carreira jornalística. E admitimos também que nunca encontraremos, com toda a certeza, outra personalidade tão pitoresca como Mário do Rosário, que faz gala em afirmar que aprendeu com o Major Alvega a ser destemido como os pilotos da RAF, heróis da Segunda Guerra Mundial!

Um homem que, fiel a um dos seus nomes de baptismo (Durão), professa altivamente o lema “Dos fracos não reza a História”!

Nota final — Alguns leitores manifestaram a sua curiosidade sobre o nome desta corrida, criado também pelo Automóvel Clube de Portugal. Pois fiquem sabendo que os “quatro magníficos” não eram os concorrentes — embora bastante apreciados na sua área profissional —, mas as míticas viaturas que tiveram o prazer de conduzir… infelizmente com resultados desastrosos para alguns deles!

FIM da reportagem (e do conto) 

Repórter anónimo: Jorge Magalhães

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s