RELENDO “A BALADA DO MAR SALGADO” COMO INTRÓITO ÀS NOVAS AVENTURAS DE CORTO MALTESE

Texto de Jorge Magalhães, publicado em Selecções BD (2ª série) nº 6, Abril 1999. Refira-se a este propósito a excelente reedição de “A Balada do Mar Salgado”, com o selo da Arte de Autor, que surgiu nos escaparates em Junho deste ano, recuperando o prefácio da edição de 1991, assinado por Umberto Eco. Uma boa leitura de férias!   

“Sou o Oceano Pacífico e sou o Maior. É assim que me chamam há já muito tempo, embora não seja verdade que eu seja sempre pacífico”. É com esta frase que começa “A Balada do Mar Salgado”, a história em que surge pela primeira vez Corto Maltese, personagem considerada por muitos a maior criação de Hugo Pratt e que nasceu na revista italiana Sgt. Kirk, a 10 de Julho de 1967, comemorando, portanto, 50 anos em 2017.

Para os nostálgicos de Corto Maltese e para os (raros) leitores que ainda não se aventuraram no seu fascinante universo, recomendamos também outro álbum da Arte de Autor com as novas aventuras do “marinheiro das sete partidas”, recriadas magistral- mente por dois autores espanhóis: Rubén Pellejero e Juan Díaz Canales.

Resumo: Acabado de chegar ao Panamá, acompanhado por Rasputine, Corto Maltese está novamente de partida! O destino é São Francisco e a sua Exposição Internacional, onde espera encontrar um amigo de longa data, o escritor Jack London. Em troca de lhe fazer chegar uma carta, London promete a Corto uma nova aventura… e um misterioso tesouro! Corto Maltese inicia assim um longo périplo pelas vastas extensões geladas do Grande Norte, numa viagem pautada por inúmeros perigos e ameaças. Porque, sob o sol da meia-noite, há outros predadores que rondam para além dos lobos e dos ursos…

Criada graficamente por Rubén Pellejero, com um traço muito semelhante ao de Hugo Pratt, e com argumento de Juan Díaz Canales, esta obra, cuja acção decorre no Alaska em 1915, é a primeira história de Corto Maltese escrita sem a participação do mestre veneziano e foi inicialmente publicada em França, em Setembro de 2015.

CORTO MALTESE – 50 ANOS DEPOIS

Este notável texto de Francisco Louçã, dedicado a Corto Maltese, demonstra que a BD já chegou a todos os quadrantes, mesmo aos mais improváveis. Como gostaríamos que o exemplo de Francisco Louçã, manifesto conhecedor e apreciador da 9ª Arte, fosse seguido por outros políticos… Só lhes faria bem!

THE HOUSE OF CORTO MALTESE

benoit-mouchart-editeur-nous-avons-ressuscite-corto-maltese-parce-qu-il-releve-du-mythe,M259220

“O marinheiro da BD ganhou casa no Cais do Sodré”

Artigo de Mara Gonçalves (Público, suplemento Fugas, em 6/8/2016)

“Hello! You are in the House of Corto Maltese. Who you are? You want to come to the discovery of the world of Corto Maltese? You are in Lisbona. Lisbona.”

Neste bar quase tudo se inspira nas aventuras da mítica personagem de banda desenhada criada por Hugo Pratt, desde o nome à decoração ou à carta de cocktails. Até este velho telefone, que nos interpela na casa de banho com uma voz entre o fantasmagórico e o vilanesco, definitivamente surreal.

“Rasputin, is you? Give me the letter I want. We need this map to discover the secret.”

A gravação, em loop contínuo, é a mais recente criação artística de Filipe Dias, o capitão-mor deste pequeno navio atracado desde o final do ano passado na Rua da Boavista, em Lisboa. “Não era aquele fã, mas sempre tive uma pequena paixão por esta personagem”, conta o designer de 42 anos. Daí que Corto Maltese — e o amigo e rival Rasputin — tenham sido a escolha natural quando quis homenagear os marinheiros que outrora navegavam pelas ruas do Cais do Sodré, aqui a dois passos, então bairro de prostitutas e má fama.

Um pouco por todo o espaço há, por isso, objectos que remetem para o universo dos barcos e das grandes aventuras pelo mundo e, claro, recortes das bandas desenhadas e colecções encadernadas das histórias criadas por Pratt, nos anos de 1970-90. Na parede, um mapa surge em destaque para assinalar as Viagens de Corto Maltese, mas, entretanto, “as pessoas começaram a pôr os países de onde vinham ou que tinham visitado”. Pioneses coloridos despontam do México, da Colômbia e do Brasil, do Mali, de França, Japão, Irão ou da Tailândia.

Na lista de bebidas, mais mundo. Runs, vodkas e gins chegam às prateleiras vindos dos quatro cantos do planeta. Só os vinhos são todos portugueses, maioritariamente do Alentejo e de Lisboa. Mas até aqui Filipe Dias procura ter, “por norma”, marcas “difíceis de encontrar noutros bares e que não sejam vendidas nas grandes superfícies comerciais”. E, depois, há cocktails com nomes inspirados no universo Corto Maltese, sempre feitos à base de rum, lima, mel e açúcar amarelo.

Corto Maltese no Cais do Sodré

Ainda está softly open — como se lê na porta envidraçada — e tudo manter-se-á “sempre em mudança”, da decoração às cartas de bebidas e de petiscos (há sempre algo para forrar o estômago, mas sem menu fixo, indo de fatias de pizza a conservas ou sandes de presunto). A ideia é criar um “espaço cool”, onde as pessoas possam vir “conhecer um pouco a história do comic”. Mas também “um pouco da história do bairro”. As duas homenagens misturam-se numa profusão de objectos antigos, colagens, pinturas, camadas, sobreposições e pormenores que se acumulam em cada recanto, num estilo descontraído e despretensioso.

“Queremos mostrar que, mesmo com pouco orçamento, é possível fazer uma homenagem aos sítios que estão a desaparecer em Lisboa e na Europa porque os novos senhorios compram [os espaços] e, sem saberem a história, fazem tudo de novo e completamente diferente daquilo que eram”, conta o responsável.

Os balcões vieram de casas vizinhas, os copos desemparelhados sentam-se em velhas mesas de costura (as máquinas foram cobertas de dourados ou rosa fúcsia e os carros de linhas substituídos por rolhas de cortiça), pequenas televisões transmitem filmes a preto e branco, há telefonias e máquinas registadoras de outros tempos. O bar é também uma espécie de showroom do trabalho da CortoMundo, empresa de design liderada por Filipe Dias, que criou algumas das peças transformadas. “Está tudo à venda, é uma questão de falarmos”, ri-se Filipe Dias.

Corto Maltese nunca passou por Portugal nas suas aventuras além-mar, mas Hugo Pratt viajou pelo país várias vezes. Numa entrevista ao Público, em 1992, o autor italiano, que viria a falecer três anos depois, defendeu que a capital lusa tinha “mudado muito”. “Antes, Lisboa era uma cidade cosmopolita, depois tornou-se uma cidade turística.” Portugal tinha-se tornado “um produto de postcard e folclore”. Nunca saberemos o que Pratt diria desta House of Corto Maltese, mas deixamos a imaginação fluir numa viagem no tempo da sua obra e do país, até a música nos embalar por outras paragens longínquas.

Heróis Clássicos da BD na FNAC

Corto Maltese

Pedro Cleto, crítico e divulgador de Banda Desenhada, reúne na FNAC alguns dos maiores heróis de todos os tempos das histórias aos quadradinhos, para uma conversa sobre as aventuras dos icónicos Tintim, Blake & Mortimer, Corto Maltese, Mandrake, Tarzan, Flash Gordon e Tex, entre muitos outros ídolos e vilões.

Oportunidade para recordar os heróis que marc(ar)am gerações e para descobrir um pouco mais sobre os seus criadores e algumas curiosidades relacionadas com a sua génese e as suas aventuras no papel.

 A apresentação terá lugar no auditório da FNAC (Gaia Shopping), hoje, às 22 horas.

Um encontro a não perder com figuras míticas que se tornaram tão corpóreas como as dos autores que lhes deram forma, identidade e uma vida para além do tempo, num mundo onde fantasia e realidade se confundem.