TOURADAS (VISTAS POR ANDRÉ CARRILHO)

«Se tourada é cultura, canibalismo é gastronomia», diz quem sabe pensar e raciocinar — isto é, o Maestro António Victorino d’Almeida. Só as cabeças com chifres — isto é, as dos touros — é que não pensam… 

(Cartoon de André Carrilho, reproduzido, com a devida vénia, do Diário de Notícias, edição semanal de 8/7/2018).

Advertisements

HAGAR E O FUTEBOL

O triste caso, que tanta celeuma provocou, ocorrido recentemente na Academia do Sporting, em Alcochete, assemelha-se, aqui para nós, a um jogo de futebol sem bola, em que uma das “equipas” — ainda por cima mais numerosa — procura derrubar os “adversários”, recorrendo a meios violentos.

Mas esse jogo já tinha sido inventado no século X pelos Vikings, povo bélico do Norte da Europa, famoso pelos seus saques e pelas suas viagens marítimas.

Prova disso é esta página da hilariante série Hägar, o Abominável [Viking], criada por Dik Browne, que fez as delícias de muitos leitores de jornais e revistas, mormente do Mundo de Aventuras, de cujo nº 396 (2ª série) a extraímos.

A bola só apareceu muitos séculos depois… e ainda hoje há quem a confunda com as pauladas e as cabeçadas!

FOGO E FÚRIA!

“Cartoon” do talentoso humorista José Bandeira, publicado no “Diário de Notícias”, em 11/8/2017 — o melhor comentário político/satírico que lemos até agora a propósito das “brincadeiras perigosas” entre os EUA, de Donald Trump, e a Coreia do Norte, de Kim Jong-un — e que aqui reproduzimos com a devida vénia a um autor da nossa especial eleição.

“OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR”

publico-bartoon910

A propósito de um facto que está a causar polémica (como muitas outras coisas, neste mundo cheio de contradições e de vozes dissonantes), reproduzimos gostosamente, com a devida vénia, um cartoon de Luís Afonso, habitual colaborador do jornal Público, onde a sua apreciada rubrica de comentário humorístico, Bartoon, surge diariamente.

“The times they are a’ changin'” é o refrão de um famoso tema musical de Bob Dylan, cuja letra aqui recordamos em homenagem ao novo Prémio Nobel, distinguido com o máximo galardão da Literatura “por ter criado novas expressões poéticas na tradição da canção americana”. O que, polémicas à parte, é a cabal expressão da verdade…

«Come gather ’round people where ever you roam
And admit that the waters around you have grown
And accept it that soon you’ll be drenched to the bone
If your time to you is worth savin’
Then you better start swimmin’ or you’ll sink like a stone,
For the times they are a’ changin’!

Come writers and critics who prophesy with your pen
And keep your eyes wide the chance won’t come again
And don’t speak too soon for the wheel’s still in spin
And there’s no tellin’ who that it’s namin’
For the loser now will be later to win
For the times they are a’ changin’!

Come senators, congressmen please heed the call
Don’t stand in the doorway don’t block up the hall
For he that gets hurt will be he who has stalled
There’s a battle outside and it’s ragin’
It’ll soon shake your windows and rattle your walls
For the times they are a’ changin’!

Come mothers and fathers throughout the land
And don’t criticize what you can’t understand
Your sons and your daughters are beyond your command
Your old road is rapidly agin’
Please get out of the new one if you can’t lend your hand
For the times they are a’ changin’!

The line it is drawn the curse it is cast
The slow one now will later be fast
As the present now will later be past
The order is rapidly fadin’
And the first one now will later be last
For the times they are a’ changin’!»

Written by Bob Dylan • Copyright © Bob Dylan Music Co.