AS QUATRO ESTAÇÕES – 1

O papagaio de 29 de janeiro517

Nas revistas infanto-juvenis de publicação semanal que campearam na época pioneira da BD portuguesa, as estações e as principais datas do ano, incluindo feriados históricos e religiosos, eram um dos temas que com mais frequência surgiam nas suas capas, ilustradas por desenhadores nacionais de multifacetado talento, como Meco, Tom, Rudy, Stuart, Cottinelli Telmo, Rocha Vieira, Ruy Manso, José Félix, Ilberino dos Santos e outros, cujo traço rivalizava com os dos melhores artistas europeus do seu tempo, enriquecendo as páginas do ABCzinho, d’O Senhor Doutor, d’O Papagaio, do Tic-Tac e de outras revistas infanto-juvenis, pródigas em criações artísticas que conjugavam harmoniosamente a literatura gráfica e as histórias aos quadradinhos. Expressão icónica e síntese de uma nova forma de arte narrativa, que alguns adultos também apreciavam, estas eram, porém, mal toleradas e mal amadas pela cultura oficial, elitista e conservadora, que vigorou durante o Estado Novo. Mas isso é um tema para outros “debates”…

A bela imagem da estação “invernal” que apresentamos a abrir esta rubrica, foi dado à estampa n’O Papagaio nº 355, de 29/1/1942 (são já decorridos 72 anos), com a assinatura de Güy Manuel, desenhador de refinada sensibilidade que, tal como seu irmão Sérgio Luiz — ambos artistas jovens e inovadores, cujo talento o futuro se encarregou de prestigiar, mas precocemente desaparecidos na flor da idade —, recheou as páginas desta famosa revista infantil com ilustrações e histórias aos quadradinhos de apurado gosto estético, imprimindo de forma indelével o seu traço elegante e de inspiração romântica na escola modernista que começava, então, a abrir novos rumos à BD portuguesa.

Apresentamos seguidamente outro criativo exemplo da sua obra, publicado no mesmo número d’O Papagaio e que ilustra bem o que escrevemos.

O papagaio Aventuras de Gonçalo 2  519

JOSÉ RUY – A PAIXÃO DO DESENHO – 9

RAPTORES – 4

Assinalando o nosso 100º post, ao cabo de oito meses e meio de existência, o que, diga-se de passagem, já representa um primeiro marco no nosso caminho, permitindo-nos acalentar a esperança de manter a mesma regularidade até final do 1º ano, apresentamos hoje mais duas páginas de “Raptores”.   

Chega ao fim esta aventura de ambiente marítimo, desenhada por José Ruy em 1949 e publicada na última fase d’O Papagaio, então transformado em suplemento infantil da revista de actualidades Flama. Dada a sua grande raridade, poucos conhecem hoje essas páginas de uma das mais antigas e carismáticas revistas infantis portuguesas, onde um punhado de jovens desenhadores como Sérgio Luiz, Güy Manuel, José Ruy e Vítor Silva, deixou a marca do seu talento.

Para (re)ler os episódios anteriores clicar aqui, aqui  e aqui.

Raptores  - 10 e 11