COLECÇÕES DE CROMOS – 2

OS TRÊS MOSQUETEIROS

Os 3 Mosqueteiros 386Em princípio dos anos 50, como referimos no artigo anterior, surgiu uma novidade, no sentido mais literal do termo, que iria revolucionar por completo o comércio das pequenas estampas coloridas e os gostos dos coleccionadores, alargando consideravelmente o âmbito desse fascinante universo. Novidade que o Mundo de Aventuras, revista que      já ia no seu 3º ano de publicação, fazendo acérrima concorrência ao Mosquito e ao Diabrete, se encarregou de divulgar com grande destaque nas suas páginas, a partir          do nº 111, de 27/9/1951.

Tratava-se de uma colecção de 144 estampas, baseada            no espectacular filme “Os Três Mosqueteiros” (realizado por George Sidney para a MGM e estreado três anos antes), com    a particularidade de apresentar fotogramas coloridos que se vendiam em “envelopes surpresa”, podendo a respectiva caderneta, com uma garrida capa extraída também do filme, ser adquirida à parte, por intermédio de qualquer fornecedor ou da própria editora, a Agência Portuguesa de Revistas (APR). Esta, aliás, oferecia aos compradores a possibilidade de completarem mais rapidamente a sua colecção, encomendando as últimas 30 estampas em falta (desde que os restantes cromos já estivessem colados na caderneta).

A ideia era prática e engenhosa, embora não se pudesse classificar como original, pois fora importada da vizinha Espanha, onde as colecções de cromos, através de editoras especializadas como a Bruguera, tinham atingido uma época de grande apogeu e diversidade. Em Portugal, porém, nada podia garantir à priori que essa iniciativa, em moldes tão diferentes dos tradicionais, fosse também coroada de êxito. Por isso, não só a primeira escolha deve ter sido maduramente ponderada, como a própria campanha publicitária no Mundo de Aventuras e noutras revistas da APR, concebida por quem percebia do assunto — e não duvido de que Roussado Pinto, à data chefe de redacção do MA, tenha sido um dos seus responsáveis —, merece encómios pela dimensão e pelo impacto que registou, contribuindo de forma positiva para aguçar a curiosidade e o interesse dos potenciais compradores.

Os 3 Mosqueteiros 2 387O certo é que essa colecção de estampas dedicada aos heróis do célebre romance de Alexandre Dumas (que são quatro e não três, como toda a gente sabe), com imagens a 7 cores (!) da soberba versão cinematográfica de ­1948, interpretada por Gene Kelly, Lana Turner, Van Heflin, June Allyson e Vincent Price, foi um êxito estrondoso — embora só tivesse sido lançada um ano depois —, esgotando-se mais rapidamente do que todos esperavam, a tal ponto que foi preciso imprimir três edições para satisfazer a intensa procura.

Estava aberto o caminho para outras colecções de cromos da APR, uma empresa em crescimento, quase todas com a mesma origem — a fecunda Editorial Bruguera, de Barcelona —, que arreigaram o gosto, entre miúdos e graúdos, por esse tipo de coleccionismo cultural e recreativo, fomentando, ao mesmo tempo, a moda dos “envelopes surpresa” com três cromos, pelo módico preço de 40 centavos (e sem lambuzar os dedos).

 Nota: Todas as imagens que ilustram este artigo foram extraídas do Mundo de Aventuras e da caderneta com os cromos de “Os Três Mosqueteiros”, pertencentes à minha colecção. Posso acrescentar, com legítimo orgulho, que qualquer destes exemplares está em muito bom estado.  

Os 3 Mosqueteiros capa e contracapa

Os 3 Mosqueteiros 5 e 6

Os 3 Mosqueteiros7 e 8