70 ANOS DE TEX NO CPBD: CONVITE E PROGRAMA

Uma grande exposição a não perder, organizada pelo Clube Português de Banda Desenhada e pelo Clube Tex Portugal, com o patrocínio da Sergio Bonelli Editore, cuja inauguração terá lugar no próximo sábado, dia 29 de Setembro, às 15h30, com a presença dos autores italianos Bruno Ramella e Moreno Burattini.

Esta exposição, como já informámos em Era uma vez o Oeste (clicar no título), é composta por 30 pranchas de vários autores que deram vida, desde a sua criação, em 1948, às trepidantes aventuras de Tex Willer — a série western de cariz realista que detém o recorde de longevidade e de episódios publicados, com milhares de páginas assinadas por alguns dos maiores mestres da BD mundial, numa contínua cadeia de produção assente em bases sólidas. 

Um sucesso sem precedentes, que há 70 anos era de todo impensável para os seus criadores — os míticos Gianluigi Bonelli e Aurelio Galleppini —, mesmo no auge das histórias aos quadradinhos (ou fumetti) com aventuras de cowboys. E o Oeste Selvagem de Tex Willer reserva-nos, decerto, ainda muitas surpresas!

CITAÇÃO DO MÊS – 50

MORENO BURATTINI (Escritor e autor de BD)

«Sou muito tranquilo em relação ao mistério do nascimento das ideias. Hoje sei que elas chegam por magia e que as histórias a contar vêm de algum lugar (nunca soube de onde) e apresentam-se sozinhas. Não sou eu que saio à caça de ideias, são elas que ficam emboscadas e saltam sobre mim quando passo pelo seu caminho».

MAIS UM NÚMERO DA REVISTA DO CLUBE TEX PORTUGAL DISTRIBUÍDO AOS SEUS SÓCIOS

Clube Tex Portugal - revista nº 2

Já foi distribuída aos sócios a revista do Clube Tex Portugal na sua 2ª edição, que revela um acentuado progresso, mantendo o mesmo aliciante aspecto gráfico e apresentando-se agora com mais páginas (de 32 passou a 48) e com um “suculento” sumário, em que se destaca a homenagem aos 30 anos de carreira do consagrado autor Fabio Civitelli, dedicados quase inteiramente ao maior personagem da BD italiana e do western europeu: Tex Willer, o famoso ranger do Texas.

Clube Tex Portugal (emblema)Tema de um excelente prólogo e de uma exaustiva bibliografia crítica, trabalho assinado por Mário João Marques, que abrange doze páginas deste número, Civitelli já esteve presente em cinco festivais realizados em diferentes cidades portugueses (entre 2007 e 2012), e a sua simplicidade, bom-humor e simpatia ficaram na memória dos inúmeros admiradores que acorreram a esses eventos. Mas, a par da simpatia, Civitelli também é apreciado pelo seu enorme talento, pela perfeição estética e a inovação técnica, bem patentes no estilo elegante, dinâmico e meticuloso até aos mínimos detalhes, com que recria as figuras de Tex e dos seus pards e os míticos cenários do Oeste americano.Civitelli com as duas capas

Convidado a colaborar na revista do Clube Tex Portugal, com documentação referente à sua longa e prestigiosa carreira, Civitelli chegou mesmo a enviar duas ilustrações inéditas para a capa, ambas tão sugestivas que a direcção da revista não hesitou em aproveitá-las para a edição normal e para uma edição alternativa (esta com a capa impressa num fundo preto e branco), que está também à disposição dos sócios do Clube, podendo estes ficar gratuitamente com uma delas, pagando 10 euros pela outra.

Editorial revista nº 2Do variado sumário deste número, destacam-se ainda os artigos de um numeroso e valioso grupo de colaboradores (que tende, aliás, a aumentar): Júlio Schneider, Pedro Cleto, Sérgio Sousa, Carlos Gonçalves, Rui Cunha, António Lança-Guerreiro, Jorge Machado-Dias, Jorge Magalhães, José Carlos Francisco, além de dois “estreantes” italianos: Moreno Burattini e Italo Marucci. Mas talvez a parte mais “sumarenta”, a par das excelentes ilustrações de Fabio Civitelli, sejam os trabalhos inéditos de outros três notáveis artistas italianos: Corrado Mastantuono, Lúcio Filippucci e Andrea Venturi (autor, recorde-se, da capa do 1º número), que acederam também prontamente ao convite para participar nesta edição.

Tex por Corrado MastantuonoInfelizmente, no artigo dedicado a mestre Vítor Péon, o nosso autor de BD que criou mais westerns, com verdadeira paixão pelo género, algumas imagens — páginas completas, com a profusão de detalhes, a variedade de planos e a acção cinética que caracterizam o seu estilo — foram demasiado reduzidas. Geralmente, na maioria dos blogues podemos, com um toque do “rato”, ampliar as imagens, o que é impossível numa revista impressa. Só com uma lupa… Esperemos que erros como esse sejam corrigidos nos próximos números.

Pelos ecos já chegados à redacção, esta revista — cuja periodicidade deu também um grande salto, passando de anual a semestral — continua a fazer, com êxito, o seu percurso entre a comunidade de sócios do Clube Tex Portugal espalhada pelo mundo, mas também junto de muitos autores texianos e da própria SBE (Sergio Bonelli Editore), e tem sido um dos principais factores de divulgação, não só do nome e dos projectos do Clube, como do devotado afecto que os leitores portugueses nutrem, ainda hoje, pelo carismático herói do Oeste americano criado em 1948 por Gianluigi Bonelli e Aurelio Galleppini.

Francesco Micoli com a revista do Clube Tex Portugal

Parabéns ao Clube Tex Portugal pelo seu dinamismo e por esta magnífica revista, dirigida por Mário João Marques e coordenada por José Carlos Francisco.

(Nota: as imagens que ilustram este texto foram extraídas, com a devida vénia, do Tex Willer Blog, cuja consulta recomendamos a todos os que quiserem aderir ao Clube Tex Portugal, pagando apenas uma jóia de 5 euros e uma quota mensal de 2 euros).