AS QUATRO ESTAÇÕES – 11

FÉRIAS FELIZES

A felicidade mais pura irradiada por uma jovem banhista que goza a plenitude das sensações estivais em comunhão com o sol, o céu dourado, o mar liso como um espelho e o aroma salgado da brisa, num plácido dia de Agosto… ou a eterna alegoria do Verão e das férias na inspirada síntese gráfica de MÉCO, um dos mais talentosos e apreciados ilustradores que despontaram nas revistas infanto-juvenis, como Joaninha e O Papagaio, em meados do século XX.

Advertisements

CAPAS E NÚMEROS DE NATAL – 6

Natal - Papagaio 506

Capa da famosa revista infantil O Papagaio nº 506, de 21/12/1944, com uma inconfundível ilustração de Meco, nome com que ficou conhecido para a posteridade António Serra Alves Mendes, um dos maiores artistas no seu género, pai de outro grande vulto da BD e das artes gráficas portuguesas do nosso tempo: Zé Manel.

Este número estava recheado de contos natalícios ilustrados por Meco, que era, desde há muito, um dos colaboradores mais activos e populares da revista, onde deixou marcas indeléveis do seu talento, sobretudo numa longa série de capas, mas também em alegres histórias aos quadradinhos, como as célebres “Aventuras da Família Patelhicas”.

Natal -  conto Natal e O Sonho da Bertini

Um neófito colega artístico deu também um “ar da sua graça” neste número, cabendo-lhe a honra de ilustrar as páginas centrais com uma alegoria dedicada ao Natal. Apesar de ser ainda menino e moço, com 14 anos espigadotes, a mão já afeita ao traço desempenhava-se bem dessas tarefas, preparando-o intensamente para uma longa e triunfante carreira que lhe abriria as páginas de muitas outras revistas infanto-juvenis portuguesas e as portas de grandes editoras. O seu nome (e assinatura): José Ruy Pinto.

Natal - presépio Ruy

Uma nota curiosa para os admiradores de Tim Tim, que nesta edição d’O Papagaio (onde era a figura mais destacada) vivia mais uma das suas empolgantes aventuras: “A Estrela Misteriosa”. Na última página, o jovem e intrépido repórter, à data ao serviço do Le Soir, dirigiu uma mensagem natalícia a todos os leitores do semanário que fora o primeiro, em Portugal, a publicar as suas proezas… e ainda por cima a cores.

Natal - Papagaio ccapa 506332

A HISTÓRIA DE PORTUGAL EM BD – 5

OUTRA VEZ FÁTIMA

Ao que recentemente apurámos, com base numa informação de Carlos Gonçalves, estudioso e coleccionador com profundos conhecimentos sobre a BD portuguesa e brasileira, o álbum Notre-Dame de Fatima, com texto de Agnès Richomme e desenhos de Robert Rigot (a que fizemos referência num post anterior que pode ser visto aqui), foi o segundo de temática mariana realizado por estes autores. O primeiro teve honras de edição portuguesa em 1954 (Ano Mariano), pelo Secretariado Nacional de Catequese, com o título Nossa Mãe, Nossa Rainha (A Vida de Nossa Senhora), mas só na parte final relatava os milagres e as aparições de Fátima. Trata-se do nº 2 da colecção Belles Histoires et Belles Vies, publicado pela primeira vez em 1949, com o título La Belle Vie de Notre-Dame (informação de Leonardo De Sá), mais tarde abreviado para Marie de Nazareth.

Rigot capa e página

Carlos Gonçalves, a quem expressamos, mais uma vez, o nosso reconhecimento, enviou-nos também duas páginas da história publicada na colecção brasileira Série Sagrada, da Ebal (série normal e série especial), com sugestivas capas de António Euzebio e Monteiro Filho (respectivamente), já apresentadas nesta rubrica. Infelizmente, continuamos a desconhecer o autor dos desenhos, embora possa tratar-se, como sugeriu Carlos Gonçalves, de um dos artistas referidos: Monteiro Filho. Aqui fica o registo.

Coleção serie sagrada

img489Outra interessantíssima versão de que Carlos Gonçalves nos deu conhecimento surgiu em 1952 no livrinho Fátima Para os Vossos Filhos, escrito em verso por Rui Santos, com imagens de um dos nossos mais talentosos ilustradores infantis, o saudoso Méco, de seu nome António Serra Alves Mendes, pai de outro artista que lhe seguiu com sucesso os passos: Zé Manel.

Não se trata de uma história aos quadradinhos (embora com vinhetas sequenciais), mas poder apreciar um trabalho raro de Méco, numa das áreas em que mais se distinguiu, a ilustração para crianças, com toda a singeleza e prazenteiro encanto que caracteriza o seu estilo, é motivo suficiente para o incluirmos nesta lista.

Nascido em 1915 e falecido tragicamente em 1957, quando passeava de barco com o filho, Méco deixou magníficos exemplos da sua arte inconfundível em revistas tão carismáticas como O Papagaio (onde eu li, pela primeira vez, As Minas de Salomão, aventuras fantásticas transfiguradas pelo seu traço semi-caricatural), O Senhor Doutor e Joaninha.

img490