NOVELA GRÁFICA IV – O REGRESSO DE UMA COLECÇÃO QUE JÁ SE TORNOU HISTÓRICA

Com “Os Guardiões do Louvre”, uma das últimas obras de Jiro Taniguchi, autor já conhecido dos habituais leitores destas Novelas Gráficas, arrancou no passado dia 6 de Junho a quarta série de uma colecção incontornável, que tem revelado (e continuará a revelar) obras de alguns dos maiores criadores da 9ª Arte nos tempos modernos (e oxalá com maior abertura, de futuro, aos autores portugueses). 

Saudamo-la, por isso, com prazer e com renovadas expectativas, felicitando o jornal Público e a editora Levoir pelo êxito crescente e pela regularidade das suas parcerias. Na próxima quarta-feira, dia 13, sai o 2º volume, com uma emblemática história de Jacques Tardi: Ici Même, cujo argumento se deve ao saudoso Jean-Claude Forest.

(Nota: os textos de João Miguel Lameiras alusivos a esta colecção podem ser seguidos em dois dos nossos blogues, O Gato Alfarrabista Júnior e A Montra dos Livros).

“PUTAIN DE GUERRE – A GUERRA DAS TRINCHEIRAS”, DE JACQUES TARDI

putain de guerre - Tardi

Considerado um dos mais importantes autores de Banda Desenhada franceses e um dos mais influentes do mundo, Jacques Tardi apresenta nesta exposição trabalhos de três álbuns do autor dedicados à Primeira Guerra Mundial: “Putain de Guerre”, “C’était la Guerra des Tranchées” e “Chansons contre la Guerre”.

Segundo Carlos Pessoa, crítico e jornalista especializado em Banda Desenhada, “é perfeitamente possível imaginar as longas noites de Inverno do pequeno Tardi, nos anos difíceis da reconstrução da Europa destruída pela II Guerra Mundial, a ouvir histórias contadas pela sua avó. E também se pode calcular que muitos desses relatos não foram contos de fadas ou histórias tradicionais da rica oralidade europeia, mas episódios vividos por Paul Tardi, seu avô, nas trincheiras da I Guerra Mundial. Esse avô corso que esteve em Verdun, foi ferido várias vezes, chegou a ser gaseado e não dizia uma palavra… Tardi também terá ficado suspenso das descrições do seu tio-avô, sobrevivente de guerra, mas com sequelas de um ferimento de obus, explicando-lhe com detalhe como lhe puseram vermes no penso para eliminar os tecidos gangrenados da ferida. E depois vieram as histórias do seu próprio pai, René Tardi, essas já situadas no ambiente da II Guerra Mundial, onde conduziu um carro de assalto”.

As cartas e os diários, os testemunhos de soldados nas trincheiras, as fotografias, as imagens dos uniformes, o armamento, são — segundo Carlos Pessoa “outros tantos elementos que permitem a Tardi recuperar a “sua” atmosfera da guerra, enriquecida com a experiência de deslocação pessoal a muitos locais das batalhas. Tudo isto para tornar possível ao leitor impregnar-se do ambiente quotidiano do soldado e apreender o tremendo sofrimento físico e emocional dos combatentes. As histórias de Tardi são curtas narrativas de situações vividas por homens deprimidos e roídos pelo medo nas trincheiras ou na terra de ninguém a excepção é “Putain de guerre!”, em que o autor privilegia uma perspectiva cronológica. Não há heróis, mas apenas soldados que são vítimas de uma guerra absurda e sem o menor sentido. Graficamente, apresentam-se muitas vezes como meras silhuetas, simples reflexos, sem profundidade, de seres que há muito perderam a condição de homens livres. Vivem esmagados pelo peso das mochilas e do armamento que transportam às costas, mas sobretudo pelo próprio conflito, que lhes assenta sobre os ombros com todo o peso do mundo.

A denúncia dos horrores da guerra, a afirmação de um pacifismo radical e o desmascaramento do papel “redentor” da religião no conflito, vão a par com um olhar sarcástico sobre a liturgia e a simbólica patrióticas, com os seus monumentos evocativos ao soldado desconhecido, cerimónias comemorativas, medalhas, desfiles de antigos combatentes e outras evocações com que foi construída uma certa memória colectiva do conflito”.