EXPOSIÇÃO NA BNP: “OS PRIMEIROS 25 ANOS DA AGÊNCIA PORTUGUESA DE REVISTAS (1948-1973)”

Depois da grande exposição “100 Anos de Fascículos de Aventuras em Portugal”, que encerrou há pouco mais de uma semana, já se avizinha uma nova parceria entre a Biblioteca Nacional e o Clube Português de Banda Desenhada.

Assim, no mesmo espaço, graças ao empenho de João Manuel Mimoso, sócio do CPBD, vai estar patente, a partir do próximo dia 27 de Setembro, uma exposição dedicada à mítica editora Agência Portuguesa de Revistas, com um historial do que foi, nos seus primeiros 25 anos de existência (1948-1973), essa autêntica “fábrica de sonhos”, misto de unidade comercial e industrial, com oficinas e distribuição próprias, e cenáculo de lazer e de cultura livresca popular, que publicou também memoráveis colecções de cromos e fomentou a popularidade dos heróis da Banda Desenhada entre a juventude portuguesa, através de revistas emblemáticas como Mundo de Aventuras, Colecção Condor, Colecção Tigre, Condor Popular, Colecção Audácia, Ciclone e muitas outras.

Uma exposição e uma homenagem que já tardavam (pois a APR encerrou as suas portas há mais de 30 anos) e que agora terão, finalmente, lugar num espaço nobre, a Biblioteca Nacional, em Lisboa (Campo Grande). Parabéns aos seus organizadores!

Advertisements

EXPOSIÇÃO DE HOMENAGEM A JOSÉ GARCÊS NA BEDETECA DA AMADORA

Decano da BD portuguesa, JOSÉ GARCÊS será alvo, no próximo dia 8 de Setembro, às 16h00, de merecida homenagem pelos seus 90 anos de idade e mais de 70 de carreira, numa louvável iniciativa da Bedeteca da Amadora e do Clube Português de Banda Desenhada. Parabéns, MESTRE GARCÊS!

EXPOSIÇÕES NO CPBD E NA BEDETECA DA AMADORA

Exposição do CPBD, dedicada a Viriato na Banda Desenhada

Por amabilidade de Carlos Gonçalves, membro da Direcção do Clube Português de Banda Desenhada, recebemos uma reportagem fotográfica das sessões realizadas no passado sábado, dia 2 de Junho, na Bedeteca da Amadora e na sede do CPBD (como oportunamente anunciámos), durante a inauguração de várias exposições e do lançamento (há muito aguardado) do álbum de Fernando Relvas “O Espião Acácio” — obra incontornável, autêntico clássico, de um dos maiores nomes da BD portuguesa —, coincidindo com a mostra dedicada aos 50 anos da revista Tintin (edição Bertrand), onde ela foi originalmente publicada.

Partilhamos com os nossos leitores algumas imagens desses eventos, com agradecimentos a Carlos Gonçalves e ao repórter fotográfico Dâmaso Afonso.

Exposição do CPBD: Viajantes de Papel na Lusofonia Gráfica

Exposição 50 anos da revista Tintin, na Bedeteca da Amadora

Catherine Labey e Anica Govedarica

Sessão de lançamento do álbum O Espião Acácio (Bedeteca da Amadora)

Assistência atenta durante a apresentação do álbum de Fernando Relvas

Mesa de apresentação do álbum O Espião Acácio

DUAS NOVAS EXPOSIÇÕES NO CPBD

Estas duas exposições, oriundas do Salão Moura BD, serão inauguradas no próximo sábado, dia 2 de Junho, a partir das 15h30, na sede do CPBD.

Se a primeira tem como tema central uma das maiores figuras dos primórdios da nossa História, ou seja, Viriato, o heróico pastor dos Montes Hermínios, a segunda, referente aos “Viajantes de Papel na Lusofonia Gráfica”, aborda a obra de grandes autores que, por razões diversas, tiveram de emigrar, procurando trabalho noutros países, como Eduardo Teixeira Coelho, Vítor Péon e Carlos Roque… alguns deles nascidos nas ilhas adjacentes ou nas antigas colónias ultramarinas portuguesas.

TRÊS NOVAS EXPOSIÇÕES NO CPBD

Foram inauguradas hoje, dia 24 de Fevereiro, três novas exposições do CPBD, sobre temas de interesse geral — a abordagem pela BD de figuras históricas como D. Afonso Henriques e o Infante D. Henrique e o 80º aniversário do mais emblemático herói do século XX —, que estarão patentes na sua sede (Reboleira-Amadora) durante as próximas semanas, mas somente aos sábados, entre as 15h00 e as 18h00. 

Depois do colóquio realizado em 17 de Fevereiro p.p. com o Professor António Martinó, que interessou profundamente a assistência e deixou em aberto a marcação de uma segunda palestra com o mesmo conferencista e o mesmo tema (Reflexões sobre a Linguagem da BD), o CPBD continua a trilhar o seu caminho, num novo ano que se afigura cheio de projectos e de fundadas expectativas de crescimento.

Pela nossa parte, desejamos aos seus directores, sócios e colaboradores que todos se concretizem, para bem da Banda Desenhada portuguesa que o CPBD, ao longo de mais de quatro décadas de existência, tanto ajudou a evoluir. 

PALESTRA DE ANTÓNIO MARTINÓ NO CPBD

Em 2018, o Clube Português de Banda Desenhada tem no seu programa um novo ciclo de palestras subordinadas ao título “Especialistas de Banda Desenhada falam sobre o tema no CPBD”. O primeiro conferencista é o Professor António Martinó de Azevedo Coutinho, que apresentará o tema “Reflexões sobre a Linguagem da BD”, com apoio de “power-point”.

Este evento decorrerá na sede do CPBD (Reboleira-Amadora), com início às 16h00 do próximo sábado, 17 de Fevereiro. 

O CLUBE PORTUGUÊS DE BANDA DESENHADA REALIZA NOVA ASSEMBLEIA GERAL E ESTREIA 4 EXPOSIÇÕES

Por António Martinó de Azevedo Coutinho (do blogue Largo dos Correios)

O Clube Português de Banda Desenhada convocou os seus associados para participarem numa Assembleia Geral, que se irá realizar no próximo dia 14 de Outubro (sábado), pelas 16H00, nas instalações da sede, sita na Avenida do Brasil, 52A – Falagueira – 2700-134 Amadora. A referida Assembleia terá como ordem de trabalhos a eleição dos elementos constantes de uma lista, conhecida e divulgada, candidata aos Órgãos Sociais do CPBD para o novo mandato de 2017/2019.

Os nomes propostos confirmam, na prática, os responsáveis pela corrente gestão do Clube, autores de uma obra a todos os títulos notável. Creio, por isso e dada a unanimidade reconhecida, que a continuação do excelente trabalho realizado está amplamente assegurada (…) e a qualidade/quantidade da obra é tanto mais válida quanto se deve reconhecer que este exuberante período se seguiu a décadas em que o Clube apenas sobreviveu dada a militância de uma meia dúzia de apaixonados pelos quadradinhos que nunca deixou morrer uma chama “sagrada” mínima.

A sede disponibilizada pela autarquia da Amadora, capital nacional da BD, proporcionou um local que tem sido constantemente dinamizado com diversas realizações, para além das intervenções do Clube noutros locais como, por exemplo, a Bedeteca da Amadora ou a Biblioteca Nacional de Lisboa.

No próprio dia da Assembleia Geral do Clube Português de Banda Desenhada, a nossa sede vai ser local de abertura de mais quatro (!) exposições públicas, cujos convites se anexam. Como exemplo de esclarecida, permanente e coerente intervenção em defesa da causa dos quadradinhos, dificilmente se poderia exigir mais ao CPBD…

Tenho orgulho em pertencer a uma associação tão dinâmica e tão bem dirigida, crescentemente merecedora de reconhecimento cultural público.

Nota: Texto reproduzido, com a devida vénia, do blogue “Largo dos Correios”, superiormente administrado por António Martinó de Azevedo Coutinho.