ARCÁDIA EDITA “O COMBOIO DOS ÓRFÃOS”

O combóio dos orfãos

O Comboio dos Órfãos é uma história sobre mobilidade e desenraizamento, que nos revela um período menos conhecido, mas muito significativo, da História dos Estados Unidos da América. Na sua costa leste, a onda de emigração maciça levou ao abandono de muitas crianças oriundas do velho continente. Miseráveis entre os mais miseráveis, essas crianças abandonadas e maltratadas sobreviviam à custa de pequenos furtos e mendicidade nas ruas de Nova Iorque. Só nesta cidade, eram cerca de 20 mil em 1854, ano em que foi posto em prática o primeiro programa de adopção, conhecido pelo nome de “Orphan Train Riders”. Inicialmente artesanal, este sistema adquiriu rapidamente uma dimensão e uma eficácia quase industriais. Quando a iniciativa terminou, em 1929, cerca de 250.000 crianças haviam sido enviadas para o Oeste dos Estados Unidos.

O reverendo Charles Loring Brace foi o primeiro a acreditar que, retirando estas crianças do seu ambiente nocivo (onde eram conhecidas pela alcunha de “street rats“), poderia transformá-las em cidadãos irrepreensíveis. Nos estados do Middle West, havia falta de mão-de-obra e muitos casais que não podiam ter filhos… pelo que seria recomendável enviá-las, por comboio, de uma costa à outra dos EUA. As primeiras viagens, patrocinadas pela organização de Brace, a Children’s Aid Society, foram realmente um êxito.

Recorrendo a agentes locais, Charles Brace instituiu um sistema de cartazes que anunciavam a chegada das crianças para adopção. As “distribuições” realizavam-se no teatro, na ópera, na igreja, ou até no cais da estação ferroviária. Os nomes, ou números, pregados nos casacos dos mais novos permitiam que os agentes os identificassem facilmente. Era frequente, porém, que estes actos se assemelhassem a uma feira de gado. Compostas, na sua grande maioria, por agricultores, as famílias de acolhimento exigiam o direito de verificar o estado de saúde (principalmente dos dentes) dos meninos e meninas trazidos de tão longe. Era raro que fossem imediatamente adoptados. A única obrigação das famílias de acolhimento consistia em tratá-los como se fossem seus filhos, até atingirem os 17 anos. Obviamente, muitos eram considerados apenas como mão-de-obra barata, mas, para o reverendo e para a maioria dos órfãos, era uma situação melhor do que aquela em que viviam nas ruas de Nova Iorque, entregues à sua mísera sorte.

Este álbum de BD, com 96 páginas, apresentado agora em português, numa edição da “renascida” Arcádia, relata uma longa viagem pautada pela amizade, pela entreajuda… mas também pela traição. Uma obra de temática original, a não perder!

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s