COLECÇÕES DE CROMOS – 4

OS FILHOS DOS TRÊS MOSQUETEIROSlf

Com as colecções da Agência Portuguesa de Revistas (APR), os cromos tornaram-se um passatempo familiar, desfrutado por todos e não apenas pela garotada, a “arraia miúda” com uma avidez especial pelas pequenas estampas coloridas, que já não precisava de sacar dinheiro aos pais para poder comprá-las, pois eles próprios tomavam a iniciativa.

No primeiro trimestre de 1953, saiu outra colecção da APR com o mesmo tema de “Os Três Mosqueteiros”, intitulada      “Os Filhos dos Três Mosqueteiros” e baseada numa sequela do filme anterior, desta vez produzida pela RKO (com o título At Sword’s Point), numa adaptação mais livre e com outros protagonistas: Cornel Wilde, Maureen O’Hara, Robert Douglas, Dan O’Herlihy e Alan Hale Jr.

RCartaz alemão com legendaecebida também com entusiasmo por um público mais vasto que o dos anos 30 e 40 e cada vez mais receptivo às realizações da APR, a maior editora popular do seu tempo, esta colecção (com 154 estampas coloridas) foi a quarta de uma longa e memorável série que varreu a lembrança das estampas que serviam de invólucro aos caramelos (ou das guloseimas que eram um mero pretexto para vender cromos e outros artigos), ateando nos jovens em idade escolar a pequena e lúdica chama do interesse didáctico, recreativo ou desportivo… que iria crescer e inflamar gerações!

les fils des mousquetairesDe salientar que esta caderneta era ilustrada, na parte central de todas as páginas, com vinhetas de Vítor Péon. Além de uma nota, à laia de prefácio, sobre o fundo histórico em que se desenrolava a acção do filme, incluía uma página dedicada a outras publicações da APR bafejadas pelo sucesso, numa miscelânea de vários títulos, entre os quais dois álbuns de cromos: “Os Três Mosqueteiros” e “Famosas Estrelas de Cinema”. A rematar o conteúdo da caderneta, era dado destaque ao próximo lançamento de uma nova colecção, baseada na História de Portugal... e que se tornaria um dos maiores êxitos de sempre da APR no âmbito deste tipo de edições, com desenhos de um artista de mérito, já no limiar da fama:  Carlos Alberto Santos.

Juntamente, e pela primeira vez, foi distribuída uma pequena brochura com quatro páginas (e capa e contracapa iguais às da caderneta), que oferecia duas estampas como brinde, dando ainda a possibilidade de adquirir directamente ao editor os últimos 30 cromos, mediante uma lista apresentada na terceira página.

OS FILHOS DOS 3 MOSQUETEIROS CAPA BRINDE600Como afirma João Manuel Mimoso, no seu pioneiro estudo sobre a vida editorial da APR, “Os Filhos dos Três Mosqueteiros” foi a primeira colecção de cromos inteiramente realizada por esta empresa, tendo as imagens do filme sido coloridas por um dos melhores artistas da casa: José Manuel Soares.

Decidida a impor-se cada vez mais no mercado e a comercializar os seus próprios produtos, em áreas onde podia competir com a Bruguera e outras editoras estrangeiras, a APR caprichou nesta colecção, tentando repetir o êxito de “Os Três Mosqueteiros”, mas parece que só houve uma tiragem.

OS FILHOS DOS 3 MOSQUETEIROS capa e contracapa

OS FILHOS DOS 3 MOSQUETEIROS PAG Rosto e 1

OS FILHOS DOS 3 MOSQUETEIROS PAG 2 e 3

OS FILHOS DOS 3 MOSQUETEIROS Anúncio e Hist. de Portugal

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s